Programa de Educação Tutorial dos Cursos de Letras da Universidade Federal de Santa Catarina
  • Contação de Histórias Nigerianas no GEPET Afro Diaspórico por Feibriss

    Publicado em 02/07/2019 às 00:35

    Nesta quinta feira dia 04/07 a Doutoranda Feibriss estará nos presenteando com a leitura de alguns contos do sul da Nigéria traduzidos pela mesma. O encontro será na sala 246 do CCE, bloco A, dás 13:30 as 15:30.

    #pracegover : com fundo roxo, a imagem apresenta no topo o título “Contra a hipocrisia colonial” e abaixo o título “contando histórias de mulheres, mortes e casamentos”. Do meio da imagem para baixo o título do evento “Contação de histórias do Sul da Nigéria com Feibriss Tradutora de Histórias”. Nessa imagem o rosto da palestrante aparece ao centro, ela está de turbante e maquiada com uma pintura branca que segue a linha da testa ao queixo, juntamente com uma imagem florida de cor marrom ao fundo.


  • Sessão de Cinema — Grupo de Estudos: A Cidade ao Longe (02/07)

    Publicado em 30/06/2019 às 00:54

    O GEPET A Cidade ao Longe: uma introdução ao pensamento das cidades promove a exibição do filme brasileiro Pixo (2009). A sessão será complementar à proposta de reflexões sobre a(s) Cidade(s), nos seus múltiplos aspectos, realizada pelo grupo de estudos e será aberta ao público.

     

    A exibição ocorrerá no dia 02 de julho, às 16:00, no auditório Elke Hering, na Biblioteca Central da UFSC.

    Pixo  (Roberto T. Oliveira, João Wainer – 2009)

    Longe de tentar algum diálogo com a sociedade ou buscando aprovação, o pixo é uma realidade na capital paulista desde o início da década de 80. Entender o que leva uma pessoa a escalar prédios de 20 andares é uma das várias propostas de PIXO.
    O diretor Roberto T. Oliveira adota o formato de câmera na mão, o que torna PIXO um verdadeiro intruso nesse universo. Acompanhando os relatos de alguns nomes famosos no meio da pixação, o documentário também mostra a vida na periferia, os afetados, a ação da PM e dá cara aos donos do pixo.

    Descrição adaptada de amigosdoforum.com.br


  • Contação de Histórias no GEPET Afro Diaspórico por Feibriss

    Publicado em 24/06/2019 às 19:39

    Nesta quinta feira dia 27/06 a Doutoranda Feibriss estará nos presenteando com a leitura de alguns contos do sul da Nigéria traduzidos pela mesma. O encontro será na sala 246 do CCE, bloco A, dás 13:30 as 15:30.

    #pracegover : com fundo verde, a imagem apresenta no topo o título “Contra a hipocrisia colonial” e abaixo o título “contando histórias de ovelhas, corujas e crocodilos”. Do meio da imagem para baixo o título do evento “Contação de histórias do Sul da Nigéria com Feibriss Tradutora de Histórias”. Nessa imagem a palestrante aparece ao centro de turbante e maquiada com uma pintura no fundo colorida em vermelho,verde e preto formando um círculo.


  • Sessão de Cinema — Grupo de Estudos: A Cidade ao Longe (18/06)

    Publicado em 16/06/2019 às 08:49

     

    O GEPET A Cidade ao Longe: uma introdução ao pensamento das cidades promove a exibição do filme estadunidense Koyaanisqatsi (1982). A sessão será complementar à proposta de reflexões sobre a(s) Cidade(s), nos seus múltiplos aspectos, realizada pelo grupo de estudos e será aberta ao público.

    A exibição ocorrerá no dia 18 de Junho, às 15:30, no auditório Elke Hering, na Biblioteca Central da UFSC.

    Koyaanisqatsi (Godfrey Reggio, 1982)
    Com uma visão minimalista, a comunicação deste filme se dá por imagens e pela instigante música de Phillip Glass, já que não há atores, enredo convencional ou diálogos. Por meio de paisagens naturais e imagens de cidade e pessoas, o diretor mostra os efeitos da modernização provocados pelo pretenso progresso apregoado e produzido pelo ser humano. Na língua Hopi, Koyaanisqatsi significa “Vida em Desequilíbrio”, e isto é mostrado em impressionantes imagens cinematográficas, gravadas entre 1977 e 1982, numa narrativa fílmica que constrói um longo movimento de aceleração, tornando-se, assim, um filme sensorial. Koyaanisqatsi é o primeiro filme de uma trilogia que o diretor Godfrey Reggio denominou Qatsi, que em Hopi significa “Vida”.

    Descrição adaptada de arquivopublicors.wordpress.com


  • Sessão de Cinema — Grupo de Estudos: A Cidade ao Longe (04/06)

    Publicado em 30/05/2019 às 21:42

    O GEPET A Cidade ao Longe: uma introdução ao pensamento das cidades promove a exibição do filme soviético Um Homem Com Uma Câmera (1929). A sessão será complementar à proposta de reflexões sobre a Cidade, nos seus múltiplos aspectos, realizada pelo grupo de estudos e será aberta ao público.

    A exibição ocorrerá no dia 04 de Junho, às 15:30, no auditório Elke Hering, na Biblioteca Central da UFSC.

    Um homem com uma câmera (Dziga Vertov, 1929)
    O filme-documentário traz a história de um cinegrafista que viaja documentando cenas da União Soviética no começo do século XX, mostrando o cotidiano despretensioso da vida na cidade moderna e a intimidade das pessoas comuns. É um filme revolucionário e importante na história do cinema, tanto pelos truques de montagem utilizados em sua produção, e ainda hoje recorrentes nas produções cinematográficas, quanto por ser um dos primeiros exemplares de documentário existentes amparados por teoria de representação da realidade.


  • Sessão de Cinema — Grupo de Estudos: A Cidade ao Longe

    Publicado em 16/05/2019 às 21:30

    O GEPET A Cidade ao Longe: uma introdução ao pensamento das cidades promove a exibição do filme alemão Berlin: Sinfonia da Metrópole (1927). A sessão será complementar à proposta de reflexões sobre a Cidade, nos seus múltiplos aspectos, realizada pelo grupo de estudos, será aberta ao público, e contará com comentários de Alexandre Manoel Nascimento, mestrando da Pós-Graduação de Literatura da UFSC.

    A exibição ocorrerá no dia 21 de Maio, às 15:30, na Sala de Projeção do Laboratório de Estudos de Cinema (LEC), sala 108 do bloco D do CCE.

     

    Berlim: Sinfonia da Metrópole (Walther Ruttmann, 1927)

    Berlin. 1927. Era industrial. Personagem: a cidade. Máquinas, engrenagens, movimento e velocidade caracterizam uma espécie de celebração à modernidade, na qual a cidade é a representação máxima de poder e transformação na vida dos indivíduos. Pessoas, trabalhadores e habitantes que de alguma maneira têm suas vidas relacionadas a ela, sejam os que garantem o funcionamento e continuidade da máquina no centro da cidade ou os que fazem do campo o movimento migratório para o turbilhão da vida na cidade.


  • Sessão de Cinema – Grupo de Estudos: A Cidade ao Longe

    Publicado em 03/05/2019 às 23:01

    O GEPET A Cidade ao Longe: uma introdução ao pensamento das cidades promove no dia 07 de Maio a exibição de três filmes: Manhatta (1921)Nada além das horas (1926) Berliner Stilleben (1926). O propósito da sessão é oferecer breves imagens de cidades-capitais que, no início do século XX, configuram-se como alguns dos principais paradigmas da cidade moderna: Nova Iorque, Paris e Berlim.

    O PET Letras, através do seu projeto Cinédito, produziu a legenda em português para Manhatta, até então com tradução indisponível. Também incluiu trilha sonora ao filme Berliner Stilleben, indisponível em qualquer versão sonorizada, uma composição do músico alemão Hans-Joachim Roedelius. Infelizmente, devido a limitações do arquivo digital, o filme Nada além das horas não terá legendas em português, contando com intertítulos em francês e tradução em inglês.

    A exibição ocorrerá no auditório Elke Hering, na Biblioteca Universitária, às 15:30.  

     

    Manhatta (Charles Sheeler & Paul Strand, 1921) 

    Em 1921, o pintor Charles Sheeler e o fotógrafo Paul Strand colaboraram para produzir Manhatta, considerado por alguns como o primeiro filme de vanguarda norte-americano. Inspirado pelo poema “Mannahatta” de Walt Whitman, o filme retrata a Manhattan do começo do século XX em 65 tomadas sequenciadas em uma estrutura não narrativa.

     

    Nada além das horas (Alberto Cavalcanti, 1926) 

    Documentário sobre a Paris dos anos 20 em forma de “sinfonia urbana”. Trata-se de nostálgico estudo dos pobres de Paris, um caleidoscópio impressionista da cidade, filmada com recursos do cinema experimental. Lugares desconhecidos e turísticos são captados por um surrealismo onírico e embalados na poesia rítmica deste tipo de cinema, que tem ecos em Dziga Vertov. Sem trama, mostra o dia de uma grande cidade animadas por silhuetas que emergem do contraste do preto-e-branco.

     

    Berliner Stilleben (László Moholy-Nagy, 1926) 

    Com a atitude do voyeur (os ângulos de observação são sempre os do homem em pé), mas com a racionalidade do analista, Moholy-Nagy compõe um afresco de realidade urbana marginal e humilde de Berlim. Foi filmado inteiramente em preto e branco e é caracterizado por um documentário estilo Bauhaus.

     


  • GEPET: Grupo de Estudos Políticos-Culturais Afro italianos

    Publicado em 22/04/2019 às 19:49

    O PET Letras convida você, acadêmico ou não, para fazer parte do Grupo de Estudos Político-Culturais AfroItalianos.

    Especialmente através do RAP, do cinema e da literatura italiana, o objetivo do grupo é levantar discussões que abordam a luta política pelo reconhecimento de cidadania dos negros na Itália através da produção artística e cultural, para que através dela entenda-se o papel da África na história da Itália.

    Os encontros do grupo serão semanalmente, a terças-feiras, das 14h às 15h30, na sala do PET Letras (Sala 221 – CCE Bloco A), e estarão abertos para a comunidade em geral, graduandos e pós-graduandos.

    Para participar, entre em contato através do e-mail: pet.letras@contato.ufsc.br.

    Obs.: Haverá emissão de certificado aos alunos que obtiverem 75% de frequências nos encontros.

    Cronograma de Trabalho:

    Data dos encontros Atividade proposta
    23/04 Apresentação dos estudos políticos-culturais afro italiano e contextualização histórica(introdução)
    30/04 Estudar a política da Itália na África – contexto, interesses e cenários da presença política e econômica italiana na África Subsaariana. manifesto Afro italiano de Tommy Kuti.
    07/05 Discussão sobre racismo e políticas de supremacia branca: Ius Soli;  O rap afro italiano muçulmano de Ciamocino
    14/05 Estudar Pepe Diaw e a luta afro italiana. Entidades afro italianas, REDANI (Rede da Diáspora Africana na Itália) e o CRA – Centro de Relações com a África vinculado à Sociedade Geográfica Italiana.
    21/05 Estudar como a Itália reage às provocações políticas do swagmusic de Bello Figo.
    28/05 Estudar a literatura afro italiana de Pap Khouma “Noi, italiani neri” e os romances juvenis afro italianos de Antonio Dikele Distefano.
    04/06 Estudar o cinema afro italiano de Fred Kuwornu.  Encerramento.

    Organizadores: Luciano Palhano – Graduando da sétima fase de Letras-Italiano (UFSC/CCE/DLLE); Nicole da Cruz Rabello(UFSC/DLLE/PET); Felipe Mateus dos Santos (UFSC/DLLV/PET); Profº Drº Carlos Henrique Rodrigues ( UFSC/CCE/DLSB).


  • GEPET – A Cidade ao Longe: introdução ao pensamento das cidades

    Publicado em 21/04/2019 às 11:04

     

    O PET Letras convida a comunidade acadêmica para participar do grupo de estudos “A Cidade ao Longe: uma introdução ao pensamento das cidades“.

    Através da leitura e discussão de textos de diferentes áreas (sociologia, história, antropologia, psicanálise, arquitetura, artes etc.), mas que têm em comum a cidade como protagonista, o objetivo do grupo é buscar distintos modos de pensá-la. “A cidade”, assim, é sempre plural; nunca é uma só: como o reflexo múltiplo numa fachada de vidro, como a variação da imagem em razão da mínima diferença de ângulo. A cidade – tão perto, tão íntima – sempre fugidia, ao longe.

    Os encontros para as discussões das leituras acontecerão quinzenalmente, nas terças-feiras, a partir de 15h20, na sala do INTRALAB (Sala 215, bloco A do CCE).  Nas semanas entre os encontros, no mesmo horário, serão exibidos filmes relacionados à temática, em local a ser definido.

    Para participar, inscreva-se através do link: http://inscricoes.ufsc.br/gepet-cidade

    Os textos estão disponíveis AQUI 

    Vale ACC: Será emitido certificado para aqueles que tenham frequência em, pelo menos, 75% dos encontros.

    Cronograma:

    Encontro/sessão Data Autor(es) trabalhado(os)
    1º encontro 30/04 ROLNIK, Raquel. O que é cidade?. Brasiliense, 2009.
    1ª sessão 07/05 Manhatta. Direção de Paul Strand. Estados Unidos, 1921;
    Nada além das horas. Direção de Alberto Cavalcanti. França, 1926;
    Berliner Stilleben. Direção de László Moholy-Nagy. Alemanha, 1926.
    2º encontro 14/05 ROLNIK, Raquel. O que é cidade?. Brasiliense, 2009.
    2ª sessão 21/05 Berlim – Sinfonia da Metrópole. Direção de Walther Ruttmann. Alemanha, 1927.
    3º encontro 28/05 WEBER, Max. Conceito e categorias da cidade. In: VELHO, OG. (Org.) O fenômeno urbano. Zahar, 1979.
    3ª sessão 04/06 Um homem com uma câmera. Direção de Dziga Vertov. União Soviética, 1929.
    4º encontro 11/06 BRESCIANI, Maria Stella. A cidade das multidões, a cidade aterrorizada. In: Olhares sobre a cidade. Rio de Janeiro: Editora da UFRJ, p. 9-42, 1994.
    4ª sessão 18/06 Koyaanisqatsi. Direção de Godfrey Reggio. EUA, 1982.
    5º encontro 25/06 FREITAG, Barbara. A “megalopolização” das cidades latino-americanas na virada do milênio. In: Teorias da cidade, p. 151-177, 2006.
    5ª sessão 02/07 Pixo. Direção de Roberto T. Oliveira e João Wainer. Brasil, 2009.
    6º encontro 09/07 HILLMAN, James. Cidade e alma; Interiores do design da cidade: o teto; Caminhar. In: Cidade & Alma. Studio Nobel, p. 37-60, 1993.

     

    Sobre os organizadores:

    Dr. Artur de Vargas Giorgi

    Professor de Literatura Brasileira da Universidade Federal de Santa Catarina. Atua principalmente com os seguintes temas: literatura brasileira, teoria literária, teoria da modernidade, artes visuais, vanguardas, neovanguardas e crítica cultural.

    Tuan Peres

    Estudante de graduação do curso de Letras Português e bolsista do PET Letras.

     


  • GEPET: sobre obras Afro Brasileiras, Africanas, Afro-Diaspóricas e suas traduções.

    Publicado em 02/04/2019 às 19:02

    O PET Letras convida a todxs para o Grupo de Estudos sobre Obras Afro Brasileiras, Africanas, Afro-Diaspóricas e suas traduções.

    Os objetivos são são proporcionar espaços de leitura e de reflexões compartilhadas a respeito das temáticas que as leituras trazem, oportunizar aos estudantes o espaço e tempo para aprofundar o conhecimento dos conteúdos, estimular o diálogo no que se refere às inquietações e problematizações  e apresentar palestras para estimular  e expor o pensamento crítico sobre os temas abordados.

    Os encontros acontecerão semanalmente, as quintas-feiras, das 14h às 16 h  na sala 221 (PET Letras) e está aberto a todxs que tenham interesse em participar.

    Vale ACC: Serão emitidos certificados para aqueles que tenham frequência em, pelo menos, 75% dos encontros.

    Para participar, mande e-mail para pet.letras@contato.ufsc.br

    CRONOGRAMA DO GRUPO:

    Data dos encontros Autores e serem trabalhados Atividade proposta
    04/04 Apresentação e discussão sobre a entrevista da Conceição Evaristo. Ler uma entrevista da Conceição e discutir sobre Literatura negra, tradução e feminismo negro.
    11/04 Livro: Gabriela, cravo e canela de Jorge Amado Discutir sobre o livro, compartilhar reflexões e opiniões sobre o livro.
    18/04 Palestra “Gabrielas em desconstrução: os corpos de mulheres negras e a miscigenação na literatura brasileira Assistir a palestra da Clarice Fortunato Araújo, comentar e discutir.
    25/04 Livro: O Bom Crioulo de Alfredo Caminha Discutir sobre o livro, compartilhar reflexões e opiniões sobre o livro.
    02/05 Filme: Megg – A margem que migra para o centro. Exibição e debate do documentário em dialogar com o livro “O Bom Crioulo” de Alfredo Caminha.
    09/05 Tese: O DIABO EM FORMA DE GENTE: (R)EXISTÊNCIAS DE GAYS AFEMINADOS, VIADOS E BICHAS PRETAS NA EDUCAÇÃO Discussão sobre um capítulo da TESE da MEGG RAYARA GOMES DE OLIVEIRA e comparar com a obra Bom Crioulo.
    16/05 Tradução de 1 história do livro  Ikom folk stories from Southern Nigeria. Leitura e discussão da história.
    23/05 Textos do projeto de tradução de histórias Contra Hipocrisia colonial I: sejamos todxs contadorxs de histórias.

    1. How Oghabi poisoned his friend Okpa and family, or Why a host should always eat first from the food which he gives to his guests
    2. How an Inkum woman abandoned one of her twins in the forest, and how it was saved by the hawk
    3. How Cannibals drove the People from Insofan Mountain to the Cross River (Ikom)
    Contação e discussão das histórias.

    Essa atividade provavelmente será feita em uma sala do redondo das cênicas.

    30/05 Textos do projeto de tradução de histórias Contra Hipocrisia colonial II: Contando histórias de ovelhas corujas e crocodilos.

    1. The Story of The Lightening and the Thunder.
    2. Concerning the Hawk and the Owl
    3. The Story of the Drummer and the Alligator
    Contação e discussão das histórias.

    Essa atividade provavelmente será feita em uma sala do redondo das cênicas.

    06/06 Palestra:  “Quem traduz um conto aumenta um ponto: uma análise de traduções de textos de Elphinstone Dayrell no Brasil” Assistir a palestra de Fabrício Henrique Meneghelli Cassilhas, comentar e discutir o processo de tradução de histórias e o lugar dessas histórias no curso de letras.
    13/06 Textos do projeto de tradução de histórias Contra Hipocrisia colonial III: Histórias de mulheres, mortes e casamentos.

    1. Of the Fat Woman who Melted Away
    2. Why Edidor killed her husband and her lover
    3. The story of the witch who tried to kill her husband or Why native dogs refuse to obey their Masters
    Contação e discussão das histórias.

    Essa atividade provavelmente será feita em uma sala do redondo das cênicas.

     27/06 Dissertação: “May Ayim e a tradução de poesia afrodiaspórica de língua alemã”  Leitura e discussão de dois poemas da dissertação de  Jessica Flavia Oliveira de Jesus.
     04/07  Finalização do GEPET Leitura de um texto italiano, com tradução de graduandos,  sobre a imigração de negros na Itália.

    Momento de refletir sobre o que foi estudado, produção escrita sobre o que foi aprendido e compartilhar as experiências através do diálogo

    BIBLIOGRAFIA

    AMADO, Jorge. Gabriela, cravo e canela: crônica de uma cidade do interior. 2ª ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

    CAMINHA, Alfredo. Bom-crioulo. São Paulo: Ática, 1995.

    AZEVEDO, Aluísio. O mulato. São Paulo: Martins, 1964.

    Megg – A margem que migra para o centro. Documentário de curta duração. Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=7SKVe-lOITg> Acesso em 24/03/2019.

    May Ayim e a tradução de poesia afrodiaspórica de língua alemã. Dísponivel em: < https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/193845> Acesso em : 26/03/2019.

    Literatura negra, feminismo negro e tradução: uma entrevista com Conceição Evaristo. Disponivel em: <https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/57055/37629> Acesso em : 26/03/2019.

    OLIVEIRA, Megg Rayara Gomes de. O diabo em forma de gente: (r) existências de gays afeminados, viados e bichas pretas na educação. – Curitiba, 2017. Dísponivel em : <https://acervodigital.ufpr.br/bitstream/handle/1884/47605/R%20-%20T%20-%20MEGG%20RAYARA%20GOMES%20DE%20OLIVEIRA.pdf?sequence=1&isAllowed=y> Acesso em: 26/03/2019.