Programa de Educação Tutorial dos Cursos de Letras da Universidade Federal de Santa Catarina
  • PET IDIOMAS – Novas turmas

    Publicado em 30/09/2022 às 10:38

     

    Quer aprender uma nova língua ou aperfeiçoar suas habilidades comunicativas?

    Então aproveite essa oportunidade: cursos gratuitos de diferentes línguas!

     

    As inscrições do PET-Idiomas estão abertas das 12h00 do dia 30 de setembro de 2022 às 15h00 do dia 7 de outubro de 2022.

    1) as inscrições somente serão realizadas por meio do sistema de inscrições da UFSC no período indicado acima;

    2) cada candidato poderá se inscrever em SOMENTE UMA TURMA e cada turma terá o máximo de 25 alunos;

    3) os cursos são gratuitos e abertos a todos e a todas e compreendem 15 horas presenciais e 15 horas de desenvolvimento de estudos e aprendizagem extraclasse requeridas pelos professores;

    4) os cursos ocorrerão presencialmente na UFSC ou de forma remota, on-line, através da plataforma WebConf, cujo link será disponibilizado para os alunos no início das aulas;

    5) as vagas serão distribuídas por meio de sorteio e o aluno deverá verificar as listas das turmas que serão disponibilizados neste site no dia 8 de outubro a partir das 18h00;

    6) durante a primeira semana de aulas (ENTRE OS DIAS 10 E 14 DE OUTUBRO), será realizada uma segunda chamada, caso haja desistências (será considerada desistência a ausência à primeira aula, sem justificativa oficialmente registrada);

    7) as aulas têm início previsto para a semana do dia 10 de outubro de 2022 e término até o dia 14 de dezembro de 2022, conforme o cronograma de cada turma;

    8) a matrícula será realizada na primeira aula e o aluno deverá se comprometer a frequentar as aulas e a concluir o curso, sob pena de não mais poder concorrer a vagas em atividades promovidas pelo PET-Letras;

    9) a certificação será concedida mediante 75% de frequência aos encontros e aproveitamento satisfatório, avaliado pelo(a) professor(a).

    10) nesse semestre serão oferecidas turmas de NÍVEL 1 e NÍVEL 2.

    Abaixo você encontra a relação de turmas e horários. Inscreva-se APENAS PARA UMA TURMA!

     

     

    Turma 1 (PRESENCIAL)

    Profa. Susana Echeverria
    Monitora Daniely de Lavega

    CCE Bloco A – 
    Sala 206

    Espanhol (nível 1)

    CLIQUE AQUI!

    Segundas-feiras, das 12h00 às 13h30

    Início dia 10 de outubro

    Turma 2 (PRESENCIAL)
    Profa. María Teresa García-Casillas
    Monitora Franciane Rodrigues
    CCE Bloco A – Sala 227
    Espanhol (nível 2)

    CLIQUE AQUI!

    Quartas-feiras, das 18h30 às 20h00

    Início dia 12 de outubro

    Turma 3 (ONLINE)
    Profa. Dienifer Leite
    Monitora Laiara Serafim
    Inglês (nível 2)

    CLIQUE AQUI!

    Quartas-feiras, das 14h00 às 15h30

    Início dia 12 de outubro

    Turma 4 (PRESENCIAL)
    Profa. Andreza Batista
    Monitora Vitória Amancio
    CCE Bloco A – Sala 227
    Libras (nível 1)

    CLIQUE AQUI!

    Terças-feiras, das 14h00 às 15h30

    Início dia 11 de outubro

    Turma 5 (PRESENCIAL)
    Prof. Gustavo Flores
    Monitora Mariane Pordeus
    CCE Bloco A – Sala 227
    Libras (nível 1)

    CLIQUE AQUI!

    Quartas-feiras, das 14h00 às 15h30

    Início dia 12 de outubro

    Turma 6 (PRESENCIAL)
    Profa. Angelo Perusso
    Monitora Hanna Boassi
    CCE Bloco A – Sala 206
    Portugês para Estrangeiros (nível 1)

    CLIQUE AQUI!

    Terças-feiras, das 12h00 às 13h30

    Início dia 11 de outubro

    Turma 7 (PRESENCIAL)
    Prof. Sofia Quarezemin
    Monitora Andres Salas
    CCE Bloco A – Sala 206
    Italiano (nível 1)

    CLIQUE AQUI!

    Terças-feiras, das 16h00 às 17h30

    Início dia 11 de outubro

     

    ATENÇÃO: A identificação de inscrições duplicadas em mais de uma turma implicará no cancelamento completo da inscrição.

     


  • Resultado | Seleção voluntariado | Resultado da Primeira Etapa

    Publicado em 26/09/2022 às 17:43

    O PET homologa o resultado da primeira etapa do edital 10/2022.

    Foram classificados:

    Jéssica Alves Padilha 

    João Rio 

     

    Não foi classificada:

    Fabiana Ferreira da Silva

     

    A próxima etapa é  a entrevista, que acontecerá na sala do PET. Os horários são os seguintes:

    Jéssica Alves Padilha – 13h30min

    João Rio – 13h50min

     

     


  • Rupturas y transcendencias: ¿quiénes son los hijos de la Chingada?

    Publicado em 26/09/2022 às 10:13

    Por Pedro Pedrollo do Santos
    Becario PET Letras
    Letras Español

     

    La historia, que no nos podía decir nada sobre la naturaleza de nuestros sentimientos y de nuestros conflictos, sí nos puede mostrar ahora cómo se realizó la ruptura y cuáles han sido nuestras tentativas para trascender la soledad.

    (El laberinto de la soledad, p.36)

     

    El laberinto de la soledad” (1950) es una de las obras del poeta, escritor y ensayista mexicano Octavio Paz. Ese importante ensayo de la literatura hispanoamericana ha influido en el pensamiento y en la literatura de lengua española. Paz — Premio Nobel de Literatura en 1990 — presenta una visión singular sobre la esencia de la individualidad mexicana y profundiza en las causas históricas responsables por quien son los mexicanos. Haciendo hincapié en la realidad histórica de México, el escritor analiza rasgos de la identidad nacional mexicana: expresiones, actitudes, gestos, ideas, costumbres, tendencias y ganas del pueblo. Desde el punto de vista del autor, la naturaleza y constitución del mexicano es el resultado de un largo proceso de transformación histórica en el que el mestizaje tiene un papel central.

     

    Imagen 1 – Octavio Paz

    Fuente: imagen de internet

    Descripción de la imagen 1: La imagen en blanco y negro muestra a Octavio Paz en una especie de bosque, vestido con un traje y sentado en una silla mientras sostiene un libro abierto.

    Para presentar la obra, elegimos el cuarto ensayo: “Los hijos de la Malinche”. En ese ensayo, Octavio Paz señala que México es impar con cosas buenas y malas tanto en las costumbres y cultura cuanto en la historia y tradición. En sus propias palabras: “Las circunstancias históricas explican nuestro carácter en la medida que nuestro carácter también les explica a ellas. Ambas son lo mismo.” (p. 30). Para él, los mexicanos al igual que su país son únicos con sus propios enigmas, contradicciones, misterios, ambigüedades e imprevisibilidades. Así como en los demás ensayos, en el cuarto ensayo se examina la cultura y el lenguaje mexicano y se demuestra que hasta las “groserías” (en específico la chingada y sus variaciones) tienen un porqué social, cultural e histórico.

    Es importante mencionar que el título del ensayo hace referencia a la Malinche (traductora y amante de Hernán Cortez, la que abrió las puertas a la conquista de México), esa figura abstracta y ambigua tan traicionera o más bien estigmatizada en la cultura: hija de la Chingada, que “es una de las representaciones mexicanas de la Maternidad, como la Llorona o la ‘sufrida madre mexicana’” (p. 31). La Chingada — la madre que traicionó a los hijos — abrió una herida en la sociedad mexicana y, por lo tanto, todos los mexicanos son hijos de la Chingada, al igual que la Malinche. El escritor reflexiona de modo crítico sobre el caso y el hecho de que los mexicanos son hijos de una violación, es decir de la violencia de colonización española.

     

    Descripción de la imagen: La imagen en blanco y negro es una pintura de Malinche, posa con un traje tradicional de su pueblo que es claro con algunas líneas geométricas, lleva un adorno de forma ovalada en la cabeza junto a una pluma, también lleva collares y pulseras.

     

    A partir de esa figura mítica y de las ideas de Rubén Darío sobre la palabra “chingada”, Paz analiza el verbo “chingar” y sus innumerables usos y significados en el México y además en la cultura española y en la hispánica. Según él, conocer el verbo “chingar”, sus usos y variaciones, permite que se esté al tanto de la mexicanidad, pues “La palabra chingar, con todas estas múltiples significaciones, define gran parte de nuestra vida y califica nuestras relaciones con el resto de nuestros amigos y compatriotas. Para el mexicano la vida es una posibilidad de chingar o de ser chingado” (p. 31). Como contraposición, el autor habla de la virgen de Guadalupe. Sin embargo, al reflexionar sobre La Chingada y La Virgen destaca la pasividad de las dos figuras que son la encarnación de la condición femenina.

    En síntesis, Octavio Paz nos invita a reflexionar junto a los mexicanos sobre su constitución histórica, política y social: una invariable búsqueda de su identidad y de encontrarse a sí mismos como nación. ¿Qué hace diferentes a los mexicanos? Parece ser la pregunta que invita al lector a saber quiénes son los mexicanos. Pregunto: ¿Quieres conocer las singularidades de México y de su pueblo? ¿Quieres entender más las relaciones de México con los demás países hispánicos y con España? Si contestas afirmativamente a esas preguntas, seguro que uno de los caminos más agradables, principalmente para los amantes de la historia y de la literatura, es la variada obra de Octavio Paz. Por lo tanto, elija “El laberinto de la soledad” y empieza un viajé en la historia, tradición y cultura mexicanas. ¡Disfrútala!

     

    REFERENCIA

    PAZ, Octavio. Los hijos de la Malinche. In: PAZ, Octavio. El laberinto de la soledad. 2. ed. México: Cátedra, 1992. p. 27-36.


  • Homologação das inscrições – Edital 10/2022 | Seleção de voluntárixs

    Publicado em 23/09/2022 às 08:07

    O PET homologa as inscrições para o edital 10/2022, quais sejam:

     

    Fabiana Ferreira da Silva

    Jéssica Alves Padilha 

    João Rio 

     

    A próxima etapa é de avaliação dos documentos e seu resultado será divulgado até o dia 26 de setembro.

     

     


  • O amor, o nunca e a arquibancada

    Publicado em 19/09/2022 às 08:26

     Por Angelo Perusso

    PET-Letras

    Letras Português

     

    Todos nós já usamos a palavra “nunca” em tom de banalidade. Quem nunca (olha ela aí de novo) disse que nunca mais beberia depois de um porre, e duas sextas-feiras depois estava com a garrafa de bebida nas mãos novamente? Ou então disse que nunca mais voltaria com o ex, ou que não mais ficaria com alguém, e cedeu às tentações meses ou até dias depois de dizer “nunca mais”? Fazemos isso porque não sabemos o significado real dessa palavra, e só há uma coisa no mundo que pode nos ensinar: a morte. Todo “nunca” dito é vazio, um mero modo de dizer; mas quando alguém que amamos se vai, esse é um “nunca” definitivo. O abraço, o beijo, a piada fora de hora, o bilhete carinhoso, o cuidado, nunca mais. A morte é como o passado, onde cada momento vivido se torna um eterno “nunca”. Você pode beber novamente aquela Coca-Cola gelada que salvou seu ânimo numa tarde quente, mas nunca mais vai sentir a mesma sensação daquela vez, não do mesmo jeito. Assim como você pode recriar o seu primeiro beijo trinta anos depois a fim de reviver a paixão, mas, por mais incrível que seja, o primeiro beijo, nunca mais. A vida mora no instante que precede o “nunca”.

    Porém o amor tem o dom de lembrar. Nossa memória, por mais frágil e abstrata que seja, é o melhor meio de manter vivos aqueles que se foram, de reviver na mente o “nunca”. O casal Mumtaz Amca e Ihsan Teyze são a prova disso. Esse casal de velhinhos era o casal mais apaixonado pelo futebol e pelo Fenerbahçe  que já viveu. Os pombinhos nunca perderam um jogo em casa do clube do coração. De mãos dadas, fizesse chuva ou sol, frio ou calor, tio Mumtaz e tia Ihsan estariam nas arquibancadas, nas poltronas 32 e 33,  recebendo doses semanais de vida através do amor que partilhavam um pelo outro e pelo jogo de bola. O mundo todo se apaixonou pela linda história de amor dos dois, e um dia, a foto que flagrou tantos sorrisos e abraços, flagrou tia Ihsan sozinha na arquibancada, com a poltrona vazia ao seu lado. Mumtaz havia se tornado “nunca”. Mas tia Ihsan, sábia que era, foi ao estádio em todos os jogos como sempre fez, na poltrona que sempre sentou, como uma forma de mostrar ao amor de sua vida que ela não deixaria de preservar o amor por ele. A cada gol do Fenerbahce, Mumtaz e Ihsan viveram mais um pouco.

    Descrição da Imagem: A foto, na parte de cima, retrata Ihsan e Mumtaz, um casal de idosos. Mumtaz, à direita, é um senhor de mais ou menos oitenta anos, com o rosto cheio de rugas e sorridente, vestido com uma boina preta e a camiseta do Fenerbahce, que tem listras verticais azuis e amarelas; do seu lado direito está Ihsan, senhora de cabelos curtos e loiros e rosto sorridente e enrugado, da mesma faixa de idade, vestindo a camiseta igual a de Mumtaz. Na parte de baixo da imagem está a arquibancada azul do estádio do clube, em que, na poltrona 32 e 33, está um pôster com a foto descrita na parte de cima.

    Em 2020, tia Ihsan foi encontrar seu amor no “nunca”, e de onde quer que isso fique, os dois comemorarão milhões de gols do Fenerbahçe. Quando Ihsan deixou a segunda poltrona vazia, foi a vez do clube, que recebeu seu amor por tanto tempo, retribuir o carinho. O Fenerbahçe retirou as poltronas 32 e 33 das arquibancadas e colocou um banner com a imagem dos dois, de mãos dadas, sorrindo na arquibancada turca, com os dizeres: “Nunca esqueceremos vocês. Ihsan e Mumtaz são a lembrança, para todo fã de futebol, que a arquibancada é o lugar do amor e da vida”.


  • Seleção de professorxs | PET Idiomas | Homologação das Inscrições

    Publicado em 19/09/2022 às 08:12

     

    O PET-Letras torna públicos a homologação das inscrições e os horários da segunda etapa que será realizada no dia 20 de setembro de 2022 na sala do PET-Letras (sala 221, bloco A, CCE).

     

    Atualização: Onde se lê “Francês: 16h”, leia-se “Francês: 14h”. Confira a homologação – CLIQUE AQUI


  • Oficina | Projetos Didáticos com Produtos Audiovisuais

    Publicado em 14/09/2022 às 08:57

     

    O PET vai ofertar, entre 20 e 22 de setembro, a oficina Projetos Didáticos com Produtos Audiovisuais. A oficina é gratuita e será ministrada pelo Prof. Dr. Luiz Carlos Martins de Souza (Laboratório de Análise e Criação Multimídia) – FLET/UFAm. A ementa, data, link de inscrições e outras informações estão abaixo:

    Ementa: Elementos essenciais na criação de projeto didático; as principais etapas da abordagem discursiva de análise fílmica; elementos básicos da construção de roteiros de documentários e ficções em curta-metragem; os elementos básicos de linguagem cinematográfica; noções de direção, de produção, de direção de arte, de direção de fotografia, de sonorização, de edição, e de atuação e interpretação para audiovisual; evento, produto final: exibição e divulgação.

    Data: 20, 21 e 22 de setembro de 2022
    Horário: 18h até 22h
    Local: Sala Drummond, Centro de Comunicação e Expressão (CCE), UFSC
    Atividade gratuita e com certificação de 15h.

    Inscrições: http://inscricoes.ufsc.br/projetosaudiovisuais


  • Seleção de voluntárixs para o PET

    Publicado em 12/09/2022 às 10:48

     

    O PET-Letras torna público o processo seletivo para preenchimento de até 03 (três) vagas para estudantes não bolsistas — voluntários(as) — do Programa de Educação Tutorial. Podem se inscrever estudantes dos Cursos de Graduação em Letras da UFSC que tenham disponibilidade de 20 (vinte) horas semanais e que atendam aos requisitos apresentados no edital.

     

    Edital_10-PET-Letras-2022.2-Selecao_voluntariado


  • ‘Coralice’: as intersecções entre ‘Alice no País das Maravilhas’ e ‘Coraline e o Mundo Secreto’

    Publicado em 12/09/2022 às 08:52

     Por Hanna Boassi

    Bolsista PET-Letras

    Letras Português

     

    É provável que vocês conheçam a história de Alice, a menina que, perseguindo um coelho branco, caiu em sua toca e acabou parando em um mundo mágico chamado de “País das Maravilhas”. Mas e a história de Coraline, vocês conhecem?

     

    No filme Coraline e o Mundo Secreto (2009), em um dia chuvoso que não pôde sair de casa, o pai de Coraline sugere a ela que conte o número de portas e janelas do novo apartamento em que estão vivendo. Durante essa atividade, Coraline encontra uma porta, pequena e murada, que é aberta por uma chave com formato de botão. Durante a noite, a garota vê camundongos indo em direção a pequena porta e os acompanha; chegando lá, se depara com um portal que a leva para outra dimensão, muito parecida com a dela, mas à primeira vista melhorada, onde tudo é perfeito e seus pais a dão toda atenção que ela necessita, porém, nessa dimensão, todos que ela conhece são iguais, com a diferença que possuem olhos de botões. Mesmo que Coraline dormisse naquela dimensão, ela acordava em sua vida monótona de sempre, o que a fazia ficar mais tentada a ir toda noite para sua realidade desejada. Entretanto, após algumas noites, as coisas fogem do controle de Coraline e ela começa a perceber que seu mundo perfeito não é tão perfeito assim.

     

    Descrição da imagem: na imagem se observa a personagem Coraline Jones, que veste um pijama laranja, tem cabelos azuis e está ajoelhada abrindo uma pequena porta escondida atrás do papel de parede de uma sala em sua casa; é noite, o cômodo está escuro e há um feixe de luz sobre a menina. Ao fundo da sala, há uma lareira apagada; logo acima da lareira um quadro de um menino segurando um sorvete e nas laterais do quadro se vê duas janelas fechadas.

     

    Coraline e o Mundo Secreto, dirigido por Henry Selick, é uma adaptação cinematográfica do livro de Neil Gaiman, Coraline. A animação, produzida em 2009 pela produtora Laika, teve indicações aos prêmios Oscar e Golden Globe, no ano de 2010, na categoria “Melhor Filme de Animação”. O filme narra as aventuras da personagem-título que se muda com seus pais para o condomínio Palácio Cor-de-Rosa. Os pais de Coraline trabalham compulsivamente e a menina, por se sentir abandonada, faz uma quase amizade com o neto de sua senhoria, Wybie – ela não aprecia a amizade, mas o menino é sua única companhia. Conhece seus estranhos vizinhos, Sr. Bobinski, o treinador de camundongos, as atrizes aposentadas, Spink e Forcible, e um misterioso gato preto que fica pelas redondezas do Palácio.

    Descrição da imagem: A imagem representa o poster do filme Coraline, ao centro se vê a personagem caminhando, vestida com uma capa de chuva amarela e galochas também amarelas, segurando um graveto e acompanhada de um gato preto. Sobre eles há uma árvore, cujo os galhos formam a figura de uma mão monstruosa, e ao fundo uma lua representada na forma de um botão. Na parte superior, a frase “The braver you are, the more you’ll see.” e na parte inferior, o nome do filme Coraline.

     

     

    Descrita Coraline, volto à Alice – que citei no início do texto – para comparar as animações Coraline e o Mundo Secreto, dos estúdios Laika, e Alice no País das Maravilhas (1951), dos estúdios Disney. Coraline, assim como Alice, busca por aventuras novas que a tire da monotonia do dia a dia, e assim acaba encontrando novos mundos que parecem sonhos realizados, mas que, no final, não são perfeitos.

    Ainda com a perspectiva da história de Alice, na animação Alice no País das Maravilhas (baseada no livro de Lewis Carroll, Alice’s Adventures in Wonderland & Through The Looking Glass and What Alice Found There), a menina, enquanto estudava com sua mãe e cansada da sua rotina, se distrai com um coelho branco vestindo luvas de pelica e um relógio de bolso na mão que se queixa de estar atrasado. Movida pela curiosidade, Alice segue o coelho e acaba caindo em sua toca e aterriza no País das Maravilhas, lugar em que vive muitas aventuras e conhece personagens “ilustres”, tal como o Chapeleiro Maluco e o Gato de Cheshire.

     

    Descrição da imagem: à esquerda é possível ver o nome do filme “Alice no País das Maravilhas” com uma fonte dourada e logo acima o nome “Disney” em fonte branca. Na direita se vê a personagem Alice, que tem cabelos loiros e veste um vestido azul, sobreposto com um avental branco, meias brancas, sapatos pretos e um laço azul escuro na cabeça. Na sua frente se vê o coelho branco vestido com uma roupa formal, gravata borboleta e óculos redondos, ele segura em sua mão esquerda um guarda-chuva fechado e em sua mão direita um relógio de bolso o qual encara. Sobre eles se observa um galho de árvore com o Gato de Cheshire sobre ele, o gato é rosa com listras roxas, tem olhos amarelos e um sorriso no formato de meia lua. Atrás deles pode se ver a Rainha de Copas, vestida de vermelho e segurando um flamingo rosa.

     

     

    Uma figura semelhante nas duas histórias são os portais para uma outra dimensão: em Alice no País das Maravilhas, o portal se revela na toca de coelho e por uma pequena porta dentro da toca que se abre com uma chave escondida; já em Coraline e o Mundo Secreto, em um poço muito fundo no quintal do Palácio Cor-de-Rosa e pela pequena porta que a menina encontra explorando seu apartamento novo.

    Outra figura presente nas duas obras é a do gato. Em Alice, ele aparece como o Gato de Cheshire, e em Coraline, ele aparece como um gato preto que a acompanha pela sua aventura entre os dois mundos.

    Descrição da imagem: Na imagem temos o Gato de Cheshire, ele é rosa com listras roxas, tem olhos amarelos e um sorriso no formato de meia lua.

     

    Descrição da imagem: Na imagem se vê um gato preto, com olhos azuis e orelhas pontudas

     

    Na adaptação cinematográfica de Coraline, o elemento que aguça a curiosidade da menina são os camundongos que a levam até a porta-portal, se assemelhando mais ainda à obra de Carroll: “[…] o elemento usado por Gaiman (no livro) é a figura estranha que aguçará a curiosidade da menina. Neste caso, é a sombra que faz com que Coraline vá até a sala e veja a porta aberta, mesmo tendo certeza de que sua mãe a fechara. É devido a essa sombra que Coraline abre a porta no dia seguinte e, em vez de uma parede de tijolos, encontra um túnel, que a leva ao outro lado. Gaiman substituiu o coelho branco de Lewis Carroll pela sombra da “outra mãe” de Coraline” (CASTILHO, 2011).

    Mas o que mais se aproxima nas duas obras é, de fato, a representação das duas personagens pela inocência da criança e o desejo por uma vida mais alegre e divertida. Na história de Alice, ela vai parar em um mundo desregrado, onde seus habitantes não medem suas ações e vivem quase como querem. Inclusive, a governante do País das Maravilhas, a famosa Rainha de Copas, que em qualquer desagrado pune os habitantes “cortando-lhes as cabeças!”. Enquanto em Coraline, a personagem vai parar em um mundo ( o “Outro Mundo”) em que precisa medir cada atitude e resolver situações pré-planejadas por sua criadora, a Outra Mãe, como se fosse um jogo e ela precisasse estar sempre um passo à frente para que ela possa ganhar e voltar para sua casa verdadeira.

    As duas obras, por fim, têm efeitos semelhantes: as duas meninas desejam por aventuras e felicidade constantes, mas acabam percebendo que nada é como parece e, no final, ambas desejam voltar para suas vidas e aprendem a aproveitar o que já possuem.

     

    REFERÊNCIA

    CASTILHO, Natália de Melo. Intertextualidade entre Coraline e Alice’s Adventures in Wonderland & Through The Looking Glass and What Alice Found There. 2011. 29 f. Monografia (Especialização) – Curso de Letras, Universidade Estadual Paulista, Araraquara, 2011.

     


  • PET Idiomas | Edital para professor(a) voluntário(a)

    Publicado em 09/09/2022 às 11:48

    O PET-Letras torna público o processo seletivo para professores(as) voluntários(as) do PET- Idiomas Presencial e On-line para o segundo semestre letivo de 2022. Podem se inscrever estudantes dos cursos de Graduação e de Pós-Graduação da UFSC ou demais interessados que atendam aos requisitos apresentados neste edital.

    O período de inscrição será das 18h do dia 12 de setembro às 12h do dia 16 de setembro de 2022.

    Todas as informações podem ser conferidas no edital – EDITAL atualizado PROFESSORES IDIOMAS 2022.2.docx

    INSCRIÇÕES HOMOLOGADAS (1ª ETAPA) – CLIQUE AQUI