Banho de sol: ao amanhecer ou após o almoço?

19/10/2020 15:04

Juliana Maggio,
Bolsista PET-Letras
Letras – Português

O verão está chegando e o sol começa aparecer com maior incidência. Mas e daí? Provavelmente, você já deve ter ouvido que o sol é um vilão para a saúde da pele humana, e isso não está totalmente errado. Entretanto, isso também não significa que devemos nos esconder dentro dos nossos edifícios, ou sair sempre debaixo de uma sombrinha (como algumas pessoas costumam fazer, você já viu?).

Em uma simples busca pela internet podemos encontrar várias páginas falando dos malefícios, mas também dos benefícios (talvez até em maior quantidade). Entre os benefícios podemos citar: qualidade do sono; redução da depressão; melhoras nos sintomas da TPM; fortalecimento de ossos e dentes; melhora nos aspectos das acnes, psoríase, dermatites; enfim, são muitos os benefícios e poderíamos ficar horas aqui listando e comentando sobre cada um deles. Portanto, o que vale é que o banho de sol é muito importante para o nosso desenvolvimento e para a manutenção do bem estar, sempre se valendo de certos cuidados e precauções.

Fonte: Imagem da Internet*

Boa parte dos benefícios citados é graças à síntese da vitamina D, que, na verdade, é um hormônio ativado e produzido pela pele e que é encontrado também, mas em menor proporção, em alimentos como peixes (atum, sardinha…), fígados, cogumelos, ovos, entre outros. Esse hormônio, como já ouvimos falar, é responsável por uma série de funções em nosso organismo, por exemplo, está associado diretamente à absorção de cálcio, que previne a osteoporose e, também, os incidentes com cáries dentais.

Outro aspecto muito importante é a prevenção dos cânceres, não apenas os de pele, mas outros tantos como os de pulmão. Além disso, aumenta os níveis de serotonina, um dos neurotransmissores responsáveis pela sensação de felicidade, concentração e satisfação, contribuindo para um sono de qualidade, aliviando os desagradáveis sintomas da TPM, diminuindo os quadros de depressão e até mesmo ajudando no emagrecimento.

Fonte: Arquivo pessoal**

Agora, que já elencamos os pontos principais, vamos trazer sentido a eles? Nesse caso, vale observar que é normal ter mais disposição e facilidade ao realizar nossas tarefas nos dias de sol. Isso tudo é consequência de todas as ações já comentadas. Em muitos países no norte do globo, os índices de tristeza e depressão são mais elevados do que em países na linha do Equador ou abaixo dele. Isso porque no Norte, a incidência solar é menor o que dificulta a síntese da vitamina D.

Portanto, o sol é imprescindível para a vida na Terra, desde nós Seres Vivos até os Não Vivos. Deste modo, devemos ter sempre o bom senso e saber que mesmo se tratando de um “remédio natural e gratuito”, ele pode, sim, nos oferecer alguns riscos. Para isso, devemos sempre dosar nossa exposição sem proteção ao tempo mínimo necessário, que consiste basicamente no tempo em que sua pele leva para começar a ficar avermelhada. Esse tempo varia de pele para pele, sendo as peles mais claras as que devem ficar menos tempo ao sol, e as peles mais escuras, mais tempo. Não há regra quanto ao tempo, você deve observar, por exemplo, com o auxílio de um relógio e assim seguir diariamente.

Outro ponto muito relevante, que divide opiniões, diz respeito ao horário dessa exposição. Alguns especialistas dizem que deve ser antes das 10h da manhã e depois das 16h. Já outros, com base em estudos científicos mais recentes, sugerem que esse período é depois das 10h até antes das 16h. A polêmica consiste no fato de que o sol das 10h às 16h é o mais intenso e mais propenso a causar câncer de pele, por conta dos raios UVB, todavia, é o momento em que há maior absorção da vitamina D. Ai é que está o ponto que reforçamos o bom senso quanto à exposição ao sol.

Então, é isso: bom senso para caprichar no banho de sol, para ter uma boa saúde física e mental!

* Descrição: Na imagem vemos um girassol virado para o sol que está ao fundo. Aparece apenas a parte superior da flor, onde vemos as pétalas e o miolo. Encontramos tons de amarelo em contraste uns com outros, e o verde do caule e das folhas do girassol, se sobressai.

** Descrição: Na fotografia, encontramos o horizonte de uma praia. Ao fundo, com a luminosidade do sol, vemos o mar em seus variados tons de azul e verde, e ondas brancas; O céu azul sem nuvens e uma curta extensão de areia cor de creme. Em primeiro plano, criando a sombra, vemos um emaranhado formado por galhos de árvores, cipós e arbustos.

Sugestões de leitura:

Clínica Vita. Especialistas listam os benefícios do banho de sol para a saúde. Disponível em: < https://vitaclinica.com.br/blog-da-vita/especialistas-listam-os-beneficios-do-banho-de-sol-para-a-saude/ >. Acesso 12 out 2020.

LÚCIA, Laura. A vitamina do Sol. 2019. (13m54s). Disponível em: < https://www.youtube.com/watch?v=GZ9ax7im9zU >. Acesso 13 out 2020.

VIDIGAL, Lucas. Brasileira que mora na Noruega conta como é viver sem sol durante semanas no inverno ártico. Disponível em: < https://g1.globo.com/mundo/noticia/2018/12/07/brasileira-que-mora-na-noruega-conta-como-e-viver-sem-sol-durante-semanas-no-inverno-artico.ghtml >. Acesso 12 out 2020.

XAVIER, Angela. Sol, como a vitamina D pode curar doenças graves. 2017. (15m09s). Disponível em: < https://www.youtube.com/watch?v=V9kCXE-qrMo >. Acesso 13 out 2020.

Tags: comunicaPET

Língua e memória: ‘eine Hommage an meinen Vater’

14/10/2020 12:04

Vítor Pluceno Behnck,
Bolsista PET-Letras
Letras – Inglês

Há pouco mais de um ano eu perdi o meu pai. Foi um grande choque para mim porque eu, no auge dos meus 17 anos, no primeiro ano de faculdade e morando sozinho, não sabia muito bem o que sentir ou dizer a respeito. Meu pai era descendente de imigrantes alemães que vieram para o Brasil em 1824, mais ou menos. Eles fundaram uma colônia no interior do Rio Grande do Sul, e é de lá que vem toda minha família paterna. Como eu sei disso? Bem, meses antes de seu falecimento, precisamente nas férias de inverno de 2019, eu comecei uma busca incessante para entender como eu vim parar aqui, no sul do Brasil. Por parte de mãe não houve nenhum registro; mas por parte de pai, consegui uma série de documentos que me levaram até meu trisavô. Cheguei até a descobrir que minha tia, irmã mais velha da geração do meu pai, lembrava de algumas palavras que os mais velhos falavam no dialeto que trouxeram lá no século XIX — completamente diferente do que se fala nos dia de hoje, por sinal.

Fonte: Deutsch Welle*

Meu pai chegou a ficar sabendo de algumas das descobertas que eu e meu irmão fizemos, e logo depois que ele faleceu, me matriculei nos Cursos Extracurriculares de Alemão da UFSC. Só quem já estudou Língua Estrangeira sabe: as primeiras aulas de nível A1 são uma maravilha. Depois? Vish… Só um santo na causa para explicar todas as declinações e os trennbare Verben. Já se tornaram incontáveis as tantas vezes que eu ouvi coisas como: “Alemão? Você é louco”; ou, até mesmo, a famigerada frase: “A vida é muito curta para aprender alemão”. Contudo, a realidade é que eu amo essa língua! Para além do apego afetivo, o alemão é uma língua desafiadora, com diferenciais muito idiossincráticos que a tornam um desafio solucionável, mas que necessita de apreço e atenção. Se você tem interesse em mergulhar nesse universo, eu recomendo os websites da DW Deutsch Lernen e Germanofonia e os canais Alemanizando e Deutsch und Deutschland.

Para além de ser uma mini crônica sobre a minha vida e uma referência à minha experiência como aprendiz de uma nova língua, essa matéria também é um manifesto clamando pelo entendimento de língua como um componente crucial para o patrimônio histórico e cultural das sociedades humanas. É sempre bom lembrar que a herança linguística no Brasil é um privilégio, pois o apagamento histórico, cultural e linguístico de minorias acontece no país desde que certas caravelas atracaram aqui lá pelos 1500. Com a morte de anciões de aldeias indígenas por conta da COVID-19, 190 línguas de povos originários correm perigo de sumir. Para mim, estudar alemão é manter viva em mim a memória daqueles que já partiram e fizeram com que eu estivesse aqui hoje. É lembrar meu pai, meus avós e todos que vieram antes. Isso não deveria ser um privilégio. Não podemos mais normalizar tantas tragédias. Precisamos agir. História, memória e língua sempre caminham juntas!

*Fotodescrição: fotografia tirada à noite com uma câmera analógica. Uma multidão está em frente ao Bundestag, sede do parlamento alemão, comemorando a Reunificação Alemã, no dia 3 de outubro de 1990. O Bundestag é composto por uma parte central, com cinco pilares de concreto e uma cúpula no topo. Nos lados esquerdo e direito, há a continuação do prédio que levam a duas torres maiores, com a bandeira da Alemanha (composta pelas cores preta, vermelha e amarela, de cima para baixo) em seus topos. A multidão que está na frente do Bundestag usa roupas com estilo dos anos 80, segurando bandeirinhas da Alemanha e gravetos com faíscas saindo da ponta. Ao fundo, há vários fogos de artifício e bandeiras não-identificáveis (provavelmente dos estados da Alemanha) no lado direito do Bundestag.

Tags: comunicaPET

Pandemia ameaça ainda mais as línguas indígenas

06/10/2020 10:14

Moara Zambonim,
Bolsista PET-Letras
Letras – Português

O Brasil possui cerca de 190 línguas indígenas em processo de extinção. O triste número coloca o país na segunda posição no Atlas de Línguas em Perigo da Unesco, atrás apenas dos Estados Unidos. Nas aldeias e comunidades, são principalmente os idosos as últimas fontes de preservação dos idiomas ameaçados, os quais são responsáveis, muitas vezes, pela educação escolar e pela transmissão de saberes ancestrais.

Ao demonstrar maior letalidade, justamente nas faixas etárias mais avançadas, a pandemia do novo coronavírus tem agravado esse cenário. Até agora, foram 837 indígenas mortos e mais de 158 povos afetados, de acordo com balanço da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (APIB). Ainda que não que haja um recorte específico por idade nesses dados, muitos anciões indígenas vitimados pela Covid-19 têm sido lembrados nos veículos de imprensa desde o início da crise.

Um exemplo ilustre é o de Higino Tenório, líder comunitário da etnia Tuyuka, que faleceu por complicações da Covid-19 no fim do último mês de maio, aos 65 anos, em Manaus. Conhecido como “doutor”, Tenório construiu uma trajetória notável na luta por políticas de educação indígena. Ajudou a criar os 10 Princípios da Educação Indígena Escolar, na década de 1990, e auxiliou a implementação do ensino médio indígena na região do Alto Rio Negro, Amazonas.

Fonte: Foto da Internet “Higino inspeciona pedral de sítio arqueológico no Parque Nacional do Jaú, no Amazonas (Foto: Raoni Valle)”*

Em reportagem do G1, o antropólogo Aloisio Cabalzar relembra: “Ele buscou os filhos indígenas em outras escolas, ensinou a língua tuyuka. Garantiu muito material escrito, vários trabalhos publicados. Ele foi a principal liderança do processo de retomada da língua tuyuka“.

E depois conclui: “Os idosos são o principal grupo de risco. É o que está acontecendo: estamos perdendo o conhecimento“.

*Foto Descrição: Higino inspeciona pedral de sítio arqueológico no Parque Nacional do Jaú, no Amazonas. Ele veste camiseta rosa clara e calça preta; se encontra sentado, à direita, sobre uma pedra com inscrições arqueológicas.

Tags: comunicaPET

Veganismo e Vegetarianismo: o que é? O que come? Mas nem peixe?

30/09/2020 18:25

Felipe Mateus dos Santos,
Bolsista PET-Letras
Letras – Português

É comum pessoas que possuem um estilo de vida vegano, vegetariano ou outra filosofia que exclua a ingestão de insumos animais, responderem esse tipo de pergunta, muito ainda por conta da falta de informação que a sociedade possui a respeito de tal temática, o que, por vezes, acaba gerando um certo desconforto por parte das pessoas que adotam esse posicionamento de evitar, total ou parcialmente, a utilização e/ou a alimentação de produtos de origem animal.

Sendo assim, é notório a importância da categorização desses processos de transição alimentar e de filosofia vida, ao passo que acaba por se tornar um ato político, visto que as atitudes relacionadas a essa posição, muitas vezes, vão em contramão de um sistema já pré estabelecido que se beneficia de vidas animais para sustentar uma cultura milenarmente difundida entre as civilizações. Com isso, vemos a cada dia pessoas adotando essa prática de exclusão de animais e de produtos de origem animal na alimentação como uma alternativa de transformar o mundo em que vivemos em um lugar mais justo e igualitário.

De acordo com a Sociedade Brasileira Vegetariana (SBV), temos as seguintes definições:

  • Vegetarianismo: é o regime alimentar que exclui os produtos de origem animal. Há também suas variações, por exemplo, quem consome produtos derivados de animais, como ovo, leite, queijo etc., são classificados como ovolactovegetarianos, e quem não consome nenhum tipo de alimento de origem animal, é considerado como Vegetariano Estrito.
  • Veganismo: é uma escolha de vida que busca excluir, na medida do possível e praticável, todas as formas de exploração e crueldade contra os animais — seja na alimentação, no vestuário ou em outras esferas do consumo.

A SVB considerou que inúmeros são fatores que levam as pessoas a optarem por iniciar uma nova postura de vida em relação aos animais, tais como a ética, a saúde, o meio ambiente e a sociedade, como podemos acompanhar no site da sociedade. Segundo Organização das Nações Unidas (mencionada no site da SVB), mais de 10 mil animais são abatidos por minuto no Brasil e o setor pecuário é o maior responsável pela erosão dos solos e pela contaminação de mananciais aquíferos do mundo, além de estimar que cerca de 14,5% das emissões de gases do efeito estufa oriundas de atividades humanas têm origem no setor pecuário e que a maior parte do desmatamento da Amazônia tem sua origem na produção de carnes, laticínios e ovos.

Para ajudar a elucidar esses pontos levantados anteriormente, gostaria de deixar duas indicações documentários: ‘CownspiracyeWhat the Health, disponíveis na plataforma de streaming Netflix, ambos com direção de Kip Andersen e Keegan Kuhn, sendo o último com produção do famoso diretor de cinema Joaquin Phoenix. Nessas duas produções, Kip e Keegan buscam investigar, alertar e informar detalhadamente a respeito da realidade existente nas grandes indústrias produtoras de carne, criticando o impacto do consumo de carne, peixe, ovos e laticínios na saúde e questionando as práticas das principais organizações de saúde e farmacêuticas.

Fonte: Imagem de capa do documentário Cownspiracy*

O objetivo deste texto é incentivar você a conhecer um pouco mais desse estilo de vida que promete revolucionar o mundo em que vivemos, defendendo uma dieta a base de vegetais, rica em nutrientes necessários para o bem-estar da nossa saúde e livre de qualquer sofrimento animal. Quem sabe, assim como eu, você seja impactado positivamente por essas obras e venha fortalecer essa causa tão importante.

*Fotodescrição: imagem de uma vaca olhando para a câmera através de uma porteira de ferro em uma fazenda, que está em primeiro plano. A vaca possui seu corpo representando o desenho do planeta Terra. Ao fundo pasto, montanhas e um pôr do sol alaranjado.

Tags: comunicaPET

Você já ouviu falar sobre Sadhguru? Se não, chegou a hora!

23/09/2020 20:10

Andréia Gomes de Araújo,
Bolsista PET-Letras
Letras – Português

Jaggi Vasudev, normalmente chamado Sadhguru, é um yogi místico e escritor indiano. Ele tem uma fundação chamada Isha, sem fins lucrativos, que tem a função de espalhar a prática do yoga pelo mundo. Nos últimos tempos, tenho aprendido muitas coisas com seus sábios ensinamentos. Ele fala sobre diversos assuntos relacionados à vida humana, os quais nos fazem refletir sobre como estamos cuidando do nosso corpo e da nossa mente, que não são duas coisas separadas. Tenho acompanhado seu canal no YouTube Sadhguru em Português e, a cada dia, aprendido mais e mais. Por isso, decidi compartilhar com vocês.

Fonte: Imagem da internet*

Como parar a tagarelice da mente? Pergunta muito comum entre as pessoas. 

Para Sadhguru, termos como “não-mente” e “parar a mente” têm sido usados há muito tempo, de maneira equivocada, pois não tem como não pensar em nada, a não ser que seus rins, seus pulmões e/ou seu coração pare. Outra questão é: porque alguém iria querer parar a mente, depois de anos de evolução? É muito comum acreditar que meditar é parar a mente e não pensar em nada. Na verdade, meditar é deixar os pensamentos surgirem, observá-los e deixá-los ir e vir.  Que não tenhamos nada contra nossos pensamentos, pois é impossível parar a mente. É impossível não pensar em nada, nem quando estamos dormindo isso acontece. Se são pensamentos que te incomodam, procure não se identificar com eles, deixo-os ir.

Se você fizer isso, 90% do seu trabalho espiritual estará feito.

Para Sadhguru, existe uma diferença muito grande em fazer o que gostamos e fazer o que é necessário. Se você faz só o necessário, não existirá o gostar e não gostar de algo. Se você conseguir transcender isso e fazer apenas o que é necessário, estará com 90% do seu trabalho espiritual acabado. Se você conseguir transcender o “eu gosto de algo” e o “eu não gosto de algo” deixará de ser escravo das coisas. Ele dá o exemplo de uma formiga. Observe uma formiga, vai perceber o quão bem feita ela é, quem quer que tenha feito esta formiga prestou atenção nos mínimos detalhes. Então, se a fonte criadora prestou tanta atenção em uma pequena formiga, quem é você para decidir o que gosta e o que não gosta?

Por que é importante dobrar bem suas roupas?

Nossas roupas devem ser bem dobradas e guardadas, porque a forma como lidamos com nossas roupas é um reflexo de como está nossa própria vida. Então, se você não dobra suas roupas, ou não arruma sua cama depois que acorda, isso diz muito sobre você. Se isso acontece com você, faça um experiência, não deixe roupas jogadas em qualquer lugar, seja mais organizado e verá como as coisas ficarão mais clara em sua mente Quando você é organizado com as coisas ao seu redor, sua mente também se organiza, sabe por quê? Porque tudo ao seu redor interage de alguma forma com você.

Desista de suas conclusões

Um dos problemas da humanidade é não admitir que não sabe. Sadhguru pergunta para uma sala cheia se eles acreditam em Deus e enquanto uma metade diz que sim, a outra que não. Isso é um problema, segundo ele. Todo mundo está fingindo o tempo todo saber de coisas que não sabem. Muitas vezes, é mais fácil admitir que não se sabe determinada coisa do que tentar explicá-las. Quando você passa a usar com mais frequência o “não sei”, você aumenta as suas possibilidades de conhecer mais sobre o assunto, ou seja, você aumenta o seu desejo por conhecimento. Quando você tem uma conclusão para tudo, você se limita. Por isso, como ele mesmo diz, confusão é melhor que conclusões estúpidas. Então, sempre que ouvir algo que não tem certeza, simplesmente diga: “não sei”. Não escolha um lado para acreditar, escolha sua confusão, pois é da confusão que nasce o desejo de saber. Diga: “não sei”! O que há de errado com isso?

Veja como é e lide com isso do jeito que é.

Sadhguru é muito realista, uma das coisas que aprendi com ele é que não devemos ser pessimistas e nem otimistas. Temos que aceitar o momento. Se estamos passando por um momento triste, viva esse momento. Não force a alegria e aceite a tristeza, pois ela passa. É comum ouvir as pessoas dizerem: seja positivo. Você não tem que ser positivo, assim como não tem que ser negativo. É como Sadhguru diz: apenas veja como é e lide com isso do jeito que é. Isso é tudo que você precisa fazer. Você só tem que lidar com as coisas como elas são da melhor maneira possível. Quando você quer mudança em algum aspecto/área da sua vida, o primeiro passo é aceitar o que é. Partindo disso, você consegue mudar. Caso contrário, será uma pessoa frustrada.

*Descrição da imagem: Na imagem, Sadhguru está sentado com as pernas entrelaçadas, assim como suas mãos que se apoiam em suas pernas. Ele está meditando, com seu olhos fechados passa tranquilidade. Ele é pardo, usa uma roupa branca, seu cabelo e barba são longos e grisalhos. O fundo é marrom, assim como a superfície em que está.

Tags: comunicaPET

PET Entrevista: Profa. Dra. Ronice Müller de Quadros

23/09/2020 14:22

O Programa de Educação Tutorial dos Cursos de Letras da Universidade Federal de Santa Catarina está lançando o PET Entrevista que tem por objetivo divulgar as atividades desenvolvidas nos diferentes cursos de Letras da UFSC através de diálogos com seus professores.

A primeira entrevista é com a professora Dra. Ronice Müller de Quadros do Departamento de Libras (DLSB) da UFSC, dos cursos de Letras Libras e do Programa de Pós-Graduação em Linguística (PPGL).

O entrevistador é Felipe Mateus dos Santos, petiano e aluno do Curso de Letras Português, e o intérprete de Português-Libras é Wharlley dos Santos, doutorando do Programa de Pós-Graduação em Estudos da Tradução (PGET) e integrante do Projeto Première da UFSC.

Essa entrevista marca o Dia Internacional das Línguas de Sinais e homenageia à comunidade surda brasileira, incluindo personagens fundamentais à promoção dos direitos das pessoas surdas!

Assista e compartilhe!

Descrição do vídeo: A esquerda da tela, ocupando quase metade dela, temos o intérprete de Português-Libras, Wharlley dos Santos. Ele é negro, olhos pretos, cabelos pretos e bem curtos. Veste uma polo preta. No canto superior direito está a logo do PET-Letras. Logo abaixo está escrito em Letras pretas: PET Entrevista e na linha de baixo Conheça os cursos de Letras. Então, temos dois quadros lado a lado: no da esquerda está Felipe dos Santos. Ele tem cabelos castanhos escuros curtos, penteados para sua direita, usa óculos e está com fones brancos. Veste a camiseta cinza do PET-Letras; no da direita está a Profa. Dra. Ronice Quadros. Ela está diante de uma estante de livros, usa uma blusa de frio com o fecho aberto, tem cabelos cacheados na altura dos ombros, os quais estão molhados, e tem óculos. Abaixo das imagens do entrevistador e da entrevistada, lemos o nome, em letras pretas, na primeira linha e a vinculação à UFSC, em letras brancas com fundo preto, na segunda. Primeiramente, os créditos são do entrevistador: Felipe Mateus dos Santos / PET Letras UFSC e, em seguida,  Profa. Dra. Ronice Quadros/ DLSB PPGL UFSC (o qual permanece até o final do vídeo).  Todo o fundo da imagem está na cor branca. Ao final do vídeo, há uma página de créditos. Em um fundo preto, temos as logos em cor branca, da esquerda para a direita, PET Letras UFSC, Première Acessível e UFSC. Abaixo estão três colunas, com títulos em amarelo e demais informações em branco: Primeira coluna: Tutor / Prof. Dr. Carlos Rodrigues; Entrevistadores / Equipe PET-Letras; Segunda coluna: Produção / PET-Letras UFSC; Edição e Legendagem / Première Acessível; Edição e Finalização / PET-Mídias; Terceira coluna: Intérprete de PT-Libras / Wharlley dos Santos;  Legendas / Equipe PET-Letras.

Tags: PETEntrevista

La memoria y algunos principios para aprender

17/09/2020 13:38

Andrés Leonardo Salas Garcés,
Bolsista PET-Letras
Letras – Libras

Más que hablar sobre cómo aprender un arte, una actividad, un idioma etc. Hablaré de cómo reconocer los problemas expuestos en determinadas actividades para comenzar a resolverlos, es básicamente lo que un profesor o tutor hace cuando te enseña cualquier actividad, ella o él por lo general sabe cuáles son las dificultades más comunes que las personas tienen a la hora de aprender dicha actividad, así reforzarlas, de esa forma el aprendizaje es más eficaz, ahorrando tiempo y esfuerzo.

Claro, me imagino que le ha pasado en el momento que decide aprender por cuenta propia una actividad determinada, lo más común es que se equivoque una infinidad de veces hasta que de tantos intentos fallidos resulte algo que esperaba, (si es que es persistente y no se rinde antes) a ese ritmo se da cuenta poco a poco de camino que debe de tomar y qué habilidades mejorar para practicar efectivamente.

Fonte: Imagem da internet

Conocer los contextos

Elementos relacionados en un ecosistema bajo una regla concreta. Conocer dichos elementos te da la oportunidad de relacionarlos entre ellos para llegar a conclusiones y crear estrategias para mejorar tu desempeño en esta nueva área. Si en lugar de memorizar la información entiendes sus fundamentos, comenzarás a moverte de manera intuitiva; algo que explica con más profundidad la psicología del aprendizaje, pero para hacer un resumen muy corto , nuestro cerebro almacena información dependiendo de qué aprendemos. Existen varios tipos de memoria a largo plazo en nuestro cerebro, pero esta vez hablaremos de dos:

La memoria semántica, que es la responsable de que entendamos que, un aviso de franjas amarillas con negro y letras blancas en el medio signifique que no debemos pasar y que es peligroso. De la misma forma cuando encontramos en un papel la palabra “gato”, su mente instantáneamente sabe que hablamos de un animal felino de porte pequeño, peludo y de cuatro patas. El aprendizaje semántico se construye prestando atención consciente a la información y conectándola para inferir un significado, un octógono + color rojo + S + T + O + P, significa que debemos parar, esto no tendría sentido si no conocemos previamente alguno de estos elementos. El conocimiento es axiomático, quiere decir que se construye de forma ramificada, relacionada con conceptos más básicos.

La memoria procedimental: esta es la responsable de que sepamos cómo caminar en dos piernas sin temor a caernos, montar bicicleta, nadar, escribir en la pantalla del celular o computador sin prestar atención detenidamente en cada letra que pulsamos, tocar un instrumento, hablar, etc. Procedimientos tanto físicos como cognitivos, estos se construyen a través de la repetición y fijación de acciones. Enviar una señal al glúteo para hacer que este se contraiga y nos empuje hacia adelante, al mismo tiempo hacemos que se levante el muslo hacia adelante para recibir el peso del cuerpo, mientras mantenemos el equilibrio para no caernos, estas son realmente muchas acciones al mismo tiempo para poder caminar. Después de tantos años practicándolo, de saber no solo cómo movernos, sino en qué momento y dónde colocar el pie, para llegar al punto de no ser conscientes de todos estos procedimientos, es porque lo hemos automatizado, lo hemos empaquetado en un conjunto de acciones y así poder utilizar nuestros escasos recursos mentales en otro tipo de actividad como caminar mientras escribimos un mensaje o hablamos por teléfono.

Lo importante de explicar estos dos tipos de memoria es que, si entendemos su proceso, podemos facilitarle el camino a la información que quieres asimilar. Por lo tanto, todo lo que tenga que ver con significado, se aprende más fácil poniéndolo en práctica y esencialmente conectándolo con algo que ya sabes. Por otro lado, la memoria procedimental se puede acelerar aislando partes de ese sistema en un entorno sin riesgo donde podrás repetir las acciones tantas veces sea necesario, hasta conseguir lo que se conoce como “memoria muscular”, en otras palabras, automatizar los procesos para hacerlos sin tener que pensar en ello para que de esa forma puedas usar tus recursos en un sistema más complejo.

Existe otro tipo de memoria y es la memoria de trabajo, esta es pequeña y se sobrecarga muy fácil. Lo importante de automatizar estos procedimientos es que podamos realizarlos de forma casi instintiva para que no ocupe espacio en la memoria de trabajo. Por ejemplo, cuando una persona que está aprendiendo a tocar un instrumento, practica repetidas veces las posiciones de sus dedos para reproducir ciertos tipos de notas, hasta el punto de que simplemente piense en el tipo de sonido que quiere reproducir y sus dedos se acomodarán de manera instintiva, muchas personas pensarán que se necesitan hacer muchas cosas al mismo tiempo para tocar una canción y cantar al mismo tiempo, pero no es así, no de manera consciente.

Fuente: Nekodificador

Foto Descrição: Sinal de transito de PARE, onde esta esta escrito em inglês “IN THE NAAAME OF LOVE”, em nome do amor em português, atrás do sinal tem um prédio na frente de um gramado e uma rua.

Tags: comunicaPET

Quais são as suas referências lésbicas?

09/09/2020 11:00

Sarah de Carvalho Ortega,
Bolsista PET-Letras
Letras – Espanhol

É hora de olhar para o mês que acabamos de concluir e fazer uma pergunta: Você sabia que o mês de agosto é conhecido como mês da “Visibilidade Lésbica”? Ou melhor, você está por dentro do fatídico 19 de Agosto de 1983?

Conhecido como o “Stonewall brasileiro”, o dia 19/08/1983 foi e é memória de muitas lésbicas brasileiras, graças às integrantes do GALF — Grupo de Ação Lésbica-Feminista —  que protestavam por sua proibida entrada no chamado “Ferro’s Bar” após a venda de sua revista lésbica em plena ditadura militar.

Contudo, alto lá caros leitores! O mês de agosto já passou, mas é importante que em todos os meses nos lembremos de mulheres lésbicas que têm se dedicado à luta contra a “lesbofobia”. Portanto, ainda que importante, o objetivo do texto não é focar em um relato histórico e, sim, homenagear e visibilizar mulheres lésbicas, com quatro ótimas recomendações de produtoras de conteúdos focados na vivência lésbica.

A primeira recomendação vai para a página “Lésbicas na história”. Para aqueles que possuem o interesse de (re)conhecer a história da lesbianidade, não só do Brasil, mas de muitos outros países, você estará na página certa e terá acesso a informações imprescindíveis para a existência e resistência lésbica.

Fonte: Print Screen – Imagem de arquivo pessoal*

Em segundo, recomendo a maravilhosa página de Luciene Santos, que oferece reflexões sobre a popularização do veganismo acessível e antirracista. Com receitas fantásticas e deliciosas, fará, com toda certeza, que você esteja mais consciente do que está disposto ou não a pôr em seu prato.

Fonte: Print Screen – Imagem de arquivo pessoal**

A terceira recomendação é Angélica Glória que, além de psicóloga e escritora — autora do livro Fisgadas —, possui um canal no YouTube em que fala sobre literatura e cultura lésbica de maneira leve e divertida.

Fonte: Print Screen – Imagem de arquivo pessoal ***

E, por último, mas igualmente importante, finalizo a recomendação com a página de Sophia que promove por meio de lindos designs, ilustrações e textos profundos com reflexões sobre a vivência lésbica contemporânea.

Fonte: Print Screen – Imagem de arquivo pessoal ****

Agosto já terminou, mas não a nossa luta em prol de uma sociedade mais humana e justa. Portanto, para conhecer mais sobre mulheres lésbicas e suas reivindicações, não deixe de segui-las e compartilhar conteúdo que nos leve a refletir sobre a temática.

Foto descrição: O texto apresenta quatro imagens que são prints de fotos do Instagram no modo de seleção: Superiormente um quadrado branco com a logo da página, na parte inferior os ícones de coração para dar like, balão de comentários, aviãozinho de papel para compartilhar e três pontos para maiores informações e ao fundo em fosco as fotos do perfil.

* A primeira foto tem fundo roxo e um desenho de círculo rosa, dentro dele há uma foto com fundo fosco e em foco uma mão de cor negra segurando um livro aberto ao meio. Em cima das páginas abertas está escrito em destaque: “Lendo mulheres lésbicas com lésbicas na história.”

** A segunda imagem é uma mulher sentada em uma cadeira de pernas abertas. Ela é uma mulher negra, olha para cima e veste uma bandana vermelha que cobre parte de sua testa e seu cabelo preto. Usa óculos de lentes vermelhas, está com blusa azul clara de botão e uma bermuda preta. Na altura de seus ombros leva os dizeres em branco: “Dia da visibilidade lésbica”; e, abaixo: “Por que SAPAvegana?”

*** A terceira foto tem fundo cor de goiaba e a frase de cor azul repetida quatro vezes em menores tamanhos: “Filmes lésbicos”. Na parte inferior, está escrito em letras menores “psiangelicagloria”.

**** A quarta imagem também de fundo goiaba leva um desenho ao centro de uma mulher branca, cabelo curto e liso, usa óculos redondos e brincos de bolinha azul, sua boca está pintada do mesmo azul de seus brincos. Veste um suéter azul e uma camisa branca de gola por cima. Escrito no canto esquerdo em dizeres brancos e azuis: “O que é uma lésbica?”. E no canto inferior direito em dizeres de cor branca: “Descanse no poder Sarah Hegazi”.

 

Tags: comunicaPET

Revista Preguiça do PET-Letras

03/09/2020 20:57

A revista do PET Letras está de volta!

Preguiça, a revista (des)acadêmica do PET Letras, foi pensada, inicialmente, para proporcionar a interação social e criativa dos alunos de diferentes fases dos cursos de Letras.

Surge, então, como um meio de divulgação local das produções literárias dos estudantes, oferecendo um estímulo à produção criativa, por disponibilizar um veículo institucionalizado para a divulgação de ideias dos alunos; e que gerasse reconhecimento e identificação dos seus autores.

Logo em sua primeira edição, a Revista Preguiça passou a receber textos escritos por alunos de todos os cursos de graduação da UFSC, possibilitando, então, a integração das mais diversas áreas, que se voltam para um mesmo objetivo, a produção literária.

A primeira edição da Preguiça foi lançada no ano de 2017 e contou com a colaboração de alunos dos cursos de Letras Inglês, Letras Português, Física e Jornalismo; e para que você possa conhecer esse projeto, disponibilizamos aqui o link para o acesso online na plataforma na qual a revista foi publicada e, também, o PDF para você baixar e ler quando e onde quiser!

Vem conhecer!

Em breve estará aberta a chamada para publicação na 2ª edição.

*Ilustração por Lara Norões Albuquerque 

#fotodescrição: Sequência de ilustrações em forma similar a de aquarela de três rostos do bicho-preguiça, da esquerda para a direita as ilustrações passam de tons mais escuros para tons mais claros, todas em escala de cinza.


PDF DA REVISTA AQUI

Tags: preguiça

“Inspiration porn” e o que você tem a ver com isso.

02/09/2020 15:05

Ana Maria Santiago,
Bolsista de Acessibilidade – PET-Letras
Letras – Português

Inspiration porn, ou pornô de inspiração em português, é um conceito informal cunhado pela australiana Stella Young. Pode ser um pouco difícil de explicá-lo, em um primeiro momento, mas com certeza você já o vivenciou de alguma forma. Caso seja uma pessoa com deficiência, esse conceito está ainda mais presente na sua vida. Mesmo que você não o entenda muito bem, certamente já sentiu os seus efeitos. Sei porque eu mesma já senti. E ainda sinto.

Perdi as contas de quantas vezes fui parabenizada por desconhecidos na rua. Pessoas que não sabem absolutamente nada sobre a minha vida constantemente me cumprimentam pela minha suposta força, coragem ou determinação. Sem me conhecer, repito. Acontece mesmo com quem me conhece. “Você é um exemplo de superação”, dizem colegas e professores. Sem eu ter feito nada de especial. Nada além de viver a minha vida. Isso é pornô de inspiração.

Foto do Arquivo Pessoal

Ainda está difícil de entender? Vamos por partes. A deficiência é entendida na sociedade como algo ruim. Assim, quem tem deficiência imediatamente leva uma vida ruim. Nessa lógica, se mesmo assim a pessoa faz coisas cotidianas, ela deve ser admirada porque, afinal, mesmo tendo essa vida péssima e cheia de problemas, ela vai para a faculdade, compra frutas, sai para comer. E, muitas vezes, faz isso tudo sozinha.

E o pornô de inspiração?

Você se inspira com isso. Isso te motiva. Faz você pensar que, se até mesmo aquela pessoa consegue, você também pode conseguir. Além de se ancorar em uma perspectiva meritocrática muito errada, ainda só faz sentido porque você já achava que aquela pessoa não tinha chance de conseguir nada. Quando ela consegue, te surpreende. Então você a parabeniza. Ao vê-la nos diferentes contextos, você pensa que a sua vida não é tão ruim assim. Pensa que deveria reclamar menos, já que tem sorte. Afinal, você poderia ter uma deficiência, não é? Poderia ser aquela pessoa. Aquela dos vídeos com música triste, das reportagens sensacionalistas e mensagens motivacionais. Todavia, e quando você é aquela pessoa? Eu sou. Sou a manifestação do que muitos consideram uma das piores possibilidades de existência. Isso te conforta? Porque me machuca.

O pornô de inspiração chama-se provocativamente “pornô” porque nos objetifica para que as pessoas sem deficiência se sintam melhor. É mais uma estrutura que oprime um grupo para que outro seja beneficiado. Não existo como pessoa, estudante, colega. Só como a sua inspiração. Isso me apaga, apaga minhas conquistas reais, me transforma em um objeto de superação. Os seus elogios capacitistas não me trazem nada de bom. Não é justo nos colocar nesse lugar, nem contribuir com isso. Ter uma deficiência não nos torna excepcionais, ao contrário do que querem que acreditemos. Usar as potencialidades do nosso corpo para viver nossas vidas não é ser um exemplo de superação. É fazer o que você faz todos os dias. Sim, temos bem mais dificuldade que você, mas isso vem muito mais das condições que não temos na sociedade do que de nós. Também lutamos pelo direito a uma vida ordinária. Pense melhor ao ver uma pessoa com deficiência como sua inspiração. Não estou aqui para inspirar você. Depois aproveite e veja o TED da Stela Young, que explica tudo isso bem melhor do que eu.

#fotodescrição: A foto registra o momento em que Ana está pegando onda. Ao fundo vemos o mar azul com uma pequena ilha ao longe, na linha do horizonte, e o céu com algumas nuvens. Em primeiro plano, Ana está sobre uma prancha amarela e branca em meio a espuma das ondas que acabaram de quebrar. Ana está sorrindo, tem as pernas levemente arqueadas e os braços abertos. Ela veste uma Neoprene preta e um biquini colorido. No canto inferior da foto, há uma logo, onde se lê, em letras maiúsculas pretas, ELF e, em letras menores, Everton Lourenço / Fotografia.

Tags: comunicaPET