Libras: uma língua ágrafa?

18/11/2023 17:12

Por Franciane Ataide Rodrigues

Letras Libras

Bolsista PET-Letras

As “línguas ágrafas” são formas de comunicação que não possuem um sistema de escrita reconhecido. Estas não possuem um meio de representação gráfica padronizado, como o alfabeto ou qualquer outro tipo de conjunto de caracteres usados para registrar o idioma.

Em diversas culturas e comunidades, a comunicação oral permanece sendo a principal ferramenta de comunicação e transmissão de tradições, culturas e legados. As línguas ágrafas acabam sendo transmitidas de geração em geração principalmente por meio de comunicação oral, o que dificulta os registros e a preservação dessas línguas, pois esses seriam fundamentais para estudos e preservação.

Tendo em vista que a Libras não é uma língua oral, que sua modalidade é espaço-visual, totalmente independente do português, seria ela, então, uma língua ágrafa? De fato, há alguns anos, a Libras era considerada uma língua ágrafa e suas únicas formas de registro eram por meio de desenhos de mãos, fotografias e filmagens caseiras como vídeo cassete e em alguns DVDs.

 Descrição de Imagem: Em um fundo azul, no centro da imagem, está uma mulher de camiseta preta. Ela é branca, de cabelos escuros e o rosto está em expressão neutra enquanto realiza o sinal em Libras da palavra “acessibilidade”. 

 

Entretanto, em 1974, Valerie Sutton, dançarina e coreógrafa, desenvolveu um sistema de registro para coletar passos de danças chamado DanceWriting, ao mesmo tempo em que na Dinamarca diversos estudiosos buscavam uma  maneira de registrar as línguas de sinais.

Descrição de imagem: a imagem apresenta a capa do livro “Sutton Movement Shorthand”, publicado em 1974. Em um fundo bege, está uma jovem dançarina. Ela é branca, tem cabelos negros presos em um coque e está vestida com uma calça preta e uma blusa preta de mangas compridas. A dançarina está em uma pose elegante, indicando movimento e graciosidade. Na lateral esquerda da imagem está escrito o título “Sutton Movement Shorthand”. Acima deste, nota-se o símbolo em DanceWriting que representa o movimento da jovem dançarina. Na parte inferior da capa, encontra-se a inscrição “BOOK ONE. The classical Ballet Key. Valerie Sutton”, fornecendo informações adicionais sobre o conteúdo do livro.

 

É, pois, neste contexto que ocorre a transição de DanceWriting para SignWriting. O sistema desenvolvido por Sutton despertou o interesse dos pesquisadores dinamarqueses da Universidade de Copenhague, o que motivou o convite de Lars von der Lieth e Jan Enggaard Pedersen para que ela, em 1974, realizasse os primeiros registros de movimentos ainda inspirados no sistema que havia criado.

Valerie Sutton ensinando SignWriting em 1985

Descrição de Imagem: em frente a uma lousa verde, uma moça jovem, branca, de cabelos curtos e loiros, vestida com uma blusa verde clara e com a parte de baixo bege, ensina o sistema SignWriting.

 

Deste modo, entre 1975 e 1980, o sistema passou por diversas modificações até se tornar o que hoje conhecemos como SignWriting e se espalhar pelo mundo. No Brasil, as pesquisas sobre SignWriting tiveram início em 1996 por intermédio do Dr. Antônio Carlos da Rocha Costa, da PUCRS, em parceria com as professoras Marianne Stumpf e Márcia Borba, atuantes da área de computação na Escola Especial Concórdia. Estes desenvolveram um grupo de trabalhos e, a partir disso, o sistema começou a ser difundido no território brasileiro.

O desenvolvimento deste sistema, usado para registrar os sinais de Libras, representa uma conquista muito significativa para a comunicação da comunidade surda, sendo uma forma de preservar a história da língua, para que ela não se perca, de perpetuar conhecimentos e interpretações de mundo, sentimentos e de realizar estudos linguísticos que contribuam para a valorização e desenvolvimento da transmissão de ideias entre surdos e ouvintes. Embora existam outras formas de registro da Libras desenvolvidos no Brasil, como os sistemas SEL e ELiS, o  SignWriting continua o principal sistema usado para registro da língua; apesar de não estar muito presente apenas em contextos acadêmicos e não seja do conhecimento de todos os surdos, é um sistema completo, capaz de realizar registros gráficos dos léxicos usados na comunicação sinalizada viso-espacial.

REFERÊNCIAS

CRISTIANO, Almir. Valerie Sutton. Libras, 2017. Disponível em: https://www.libras.com.br/valerie-sutton. Acesso em: 10 nov. 2023.

SUTTON, Valerie. A Global Writing System For A Global Age. Disponível em: https://www.valeriesutton.org/lifestory/autobiography. Acesso em: 10 nov. 2023.

SIGNWRITING. History of SignWriting. Disponível em: https://www.signwriting.org/library/history/hist010.html. Acesso em: 10 nov. 2023.

 

Nossa nova ID visual

24/10/2023 10:35

A partir de agora o PET-Letras UFSC tem uma nova identidade visual, em colaboração com o @longe_far.

Quisemos materializar os encontros, os afetos e a multiplicidade de pessoas que estão no PET, nas Letras e na UFSC.

 

NOTA | ATIVIDADE CANCELADA

26/09/2023 16:03

Hoje, dia 26 de setembro, dia da pessoa surda, aconteceria uma live do projeto O que que é, edição Libras, com a professora Dra. Ronice Quadros.
Todavia, por falta de intérpretes da UFSC, tivemos que cancelar o evento.

Sentimos muito por isso, mas gostaríamos de lembrar que a luta pela acessibilidade e pelos direitos das pessoas surdas é de todes e que, atualmente, a situação do CCE, quanto ao número de intérpretes, é muito preocupante.

Agradecemos à Ronice, solidarizamo-nos com as pessoas intérpretes e com as pessoas surdas da UFSC.

Amanhã, às 10h, vamos ter uma roda só de pessoas surdas no Varandão! Vem discutir essa treta e outras com a gente!

PET-Letras UFSC

Que que é? | segunda temporada

12/03/2023 15:10

Que é que é? é uma série de palestras (on-line e presenciais ) que apresenta temas de interesse das áreas de Linguística e Literatura, num caráter introdutório e didático.

As palestras têm de 45 a 60 minutos e são ministradas por convidadas e convidados especialistas em cada tópico.

A segunda temporada vai de março a junho de 2023. São 4 encontros, sempre no canal do PET no Youtube (https://www.youtube.com/user/PetLetrasUFSC).  A participação dá direito à certificado de 8 horas de extensão.

A programação de 2023.1:

 

–  Que que é Educação Libertadora? – Professora Doutora Rosângela Pedralli  | 30 março – 18h

Que que é Pragmática? – Professor Doutor Daniel Nascimento e Silva | 20 abril  – 18h

– Que que é Cartografia?  – Professora Doutora Núbia Saraiva Ferreira  |10 maio – 18h

–  Que que é Queer| Cuir? – Professor Doutor Jair Zandoná | 23 maio – 9 h

–  Que que é Letramento Racial? – Professor Doutor Kleber Aparecido da Silva | 30 junho – 18h

As inscrições estão abertas em: http://inscricoes.ufsc.br/quequee

O amor, o nunca e a arquibancada

19/09/2022 08:26

 Por Angelo Perusso

PET-Letras

Letras Português

 

Todos nós já usamos a palavra “nunca” em tom de banalidade. Quem nunca (olha ela aí de novo) disse que nunca mais beberia depois de um porre, e duas sextas-feiras depois estava com a garrafa de bebida nas mãos novamente? Ou então disse que nunca mais voltaria com o ex, ou que não mais ficaria com alguém, e cedeu às tentações meses ou até dias depois de dizer “nunca mais”? Fazemos isso porque não sabemos o significado real dessa palavra, e só há uma coisa no mundo que pode nos ensinar: a morte. Todo “nunca” dito é vazio, um mero modo de dizer; mas quando alguém que amamos se vai, esse é um “nunca” definitivo. O abraço, o beijo, a piada fora de hora, o bilhete carinhoso, o cuidado, nunca mais. A morte é como o passado, onde cada momento vivido se torna um eterno “nunca”. Você pode beber novamente aquela Coca-Cola gelada que salvou seu ânimo numa tarde quente, mas nunca mais vai sentir a mesma sensação daquela vez, não do mesmo jeito. Assim como você pode recriar o seu primeiro beijo trinta anos depois a fim de reviver a paixão, mas, por mais incrível que seja, o primeiro beijo, nunca mais. A vida mora no instante que precede o “nunca”.

Porém o amor tem o dom de lembrar. Nossa memória, por mais frágil e abstrata que seja, é o melhor meio de manter vivos aqueles que se foram, de reviver na mente o “nunca”. O casal Mumtaz Amca e Ihsan Teyze são a prova disso. Esse casal de velhinhos era o casal mais apaixonado pelo futebol e pelo Fenerbahçe  que já viveu. Os pombinhos nunca perderam um jogo em casa do clube do coração. De mãos dadas, fizesse chuva ou sol, frio ou calor, tio Mumtaz e tia Ihsan estariam nas arquibancadas, nas poltronas 32 e 33,  recebendo doses semanais de vida através do amor que partilhavam um pelo outro e pelo jogo de bola. O mundo todo se apaixonou pela linda história de amor dos dois, e um dia, a foto que flagrou tantos sorrisos e abraços, flagrou tia Ihsan sozinha na arquibancada, com a poltrona vazia ao seu lado. Mumtaz havia se tornado “nunca”. Mas tia Ihsan, sábia que era, foi ao estádio em todos os jogos como sempre fez, na poltrona que sempre sentou, como uma forma de mostrar ao amor de sua vida que ela não deixaria de preservar o amor por ele. A cada gol do Fenerbahce, Mumtaz e Ihsan viveram mais um pouco.

Descrição da Imagem: A foto, na parte de cima, retrata Ihsan e Mumtaz, um casal de idosos. Mumtaz, à direita, é um senhor de mais ou menos oitenta anos, com o rosto cheio de rugas e sorridente, vestido com uma boina preta e a camiseta do Fenerbahce, que tem listras verticais azuis e amarelas; do seu lado direito está Ihsan, senhora de cabelos curtos e loiros e rosto sorridente e enrugado, da mesma faixa de idade, vestindo a camiseta igual a de Mumtaz. Na parte de baixo da imagem está a arquibancada azul do estádio do clube, em que, na poltrona 32 e 33, está um pôster com a foto descrita na parte de cima.

Em 2020, tia Ihsan foi encontrar seu amor no “nunca”, e de onde quer que isso fique, os dois comemorarão milhões de gols do Fenerbahçe. Quando Ihsan deixou a segunda poltrona vazia, foi a vez do clube, que recebeu seu amor por tanto tempo, retribuir o carinho. O Fenerbahçe retirou as poltronas 32 e 33 das arquibancadas e colocou um banner com a imagem dos dois, de mãos dadas, sorrindo na arquibancada turca, com os dizeres: “Nunca esqueceremos vocês. Ihsan e Mumtaz são a lembrança, para todo fã de futebol, que a arquibancada é o lugar do amor e da vida”.

Pessoas surdas influenciadoras da comunidade LGBTQIA+

01/09/2022 17:05

Gustavo da Silva Flores,
Estagiário de Acessibilidade
Letras-Libras

Talvez você ainda não saiba, mas junho é conhecido como o “Mês do Orgulho”, um momento especial para dar ainda mais visibilidade à luta da comunidade LGBTQIA + por igualdade e respeito. Mas por que Junho? Essa história começa na madrugada do dia 28 de junho de 1969. Neste dia, aconteceu a chamada “Revolta de Stonewall”, em Nova York, quando um grupo de pessoas decidiu enfrentar os policiais que costumavam entrar em bares LGBT para prender o público que ali frequentava, mesmo que não estivessem violando a lei.

Episódios como este nunca mais deveriam se repetir, mas infelizmente ainda vemos casos parecidos nas notícias. Desconstruir qualquer resquício de preconceito na nossa sociedade é uma pauta urgente! Se o nosso objetivo é um futuro mais justo e livre de desigualdade, precisamos de representatividade em todos os âmbitos, hoje. Desde o trabalho até o conteúdo que você consome na internet, é necessário garantir a diversidade e aprender com quem realmente entende do assunto.

O significado da sigla LGBTQIA+ :

 

L = Lésbicas: São mulheres que sentem atração afetiva/sexual pelo mesmo gênero, ou seja, outras mulheres.
G = Gays: São homens que sentem atração afetiva/sexual pelo mesmo gênero, ou seja, outros homens.
B = Bissexuais: Diz respeito aos homens e mulheres que sentem atração afetivo/sexual pelos gêneros masculino e feminino. Ainda segundo o manifesto, a bissexualidade não tem relação direta com poligamia, promiscuidade, infidelidade ou comportamento sexual inseguro. Esses comportamentos podem ser tidos por quaisquer pessoas, de quaisquer orientações sexuais.
T = Transgênero: Diferentemente das letras anteriores, o T não se refere a uma orientação sexual, mas a identidades de gênero. Também chamadas de “pessoas trans”, elas podem ser transgênero (homem ou mulher), travesti (identidade feminina) ou pessoa não-binária, que se compreende além da divisão “homem e mulher”.
Q = Queer: Pessoas com o gênero “Queer” são aquelas que transitam entre as noções de gênero, como é o caso das drag queens. A teoria queer defende que a orientação sexual e identidade de gênero não são resultado da funcionalidade biológica, mas de uma construção social.
I = Intersexo: A pessoa intersexo está entre o feminino e o masculino. As suas combinações biológicas e desenvolvimento corporal — cromossomos, genitais, hormônios etc. — não se enquadram na norma binária (masculino ou feminino).
A = Assexual: Assexuais não sentem atração sexual por outras pessoas, independente do gênero. Existem diferentes níveis de assexualidade e é comum essas pessoas não verem as relações sexuais humanas como prioridade.
+: O símbolo de “ mais ” no final da sigla aparece para incluir outras identidades de gênero e orientações sexuais que não se encaixam no padrão cis-heteronormativo, mas que não aparecem em destaque antes do símbolo.

Fonte: Fundo Brasil

Assim como vivemos em uma sociedade diversa, existe uma grande diversidade dentro da comunidade surda e pessoas LGBTQIA + também fazem parte dela. Muitas são profissionais de diversas áreas e estão compartilhando seu conhecimento nas redes sociais, em Libras e em português, com propriedade e lugar de fala. Pensando nisso e em celebração a essa data, vamos compartilhar alguns perfis de pessoas surdas influenciadoras e que se identificam como LGBTQIA +, para você seguir, aprender muito e compartilhar com seus amigos e amigas. Vamos expandir essa rede de representatividade, educação, respeito e amor!

1- Andreia de Oliveira (@falamesmaoideia):

Para começar, ela compartilha conteúdos muito legais sobre feminismo, comunidade surda e LGBTQIA +, além de vídeos superengraçados com a avózinha dela!

Fonte: foto de arquivo pessoal.

2- Kitana Dreams (@kitanadreams):

É drag queen, YouTuber, influenciadora e maquiadora. Ela produz um conteúdo super educativo e divertido de acompanhar, além de dar ótimas dicas!

Fonte: Imagem da Internet

3- Leo Castilho (@leocastilho):

É slammer, influenciador, ator, performer e produtor. Ele cria conteúdos super relevantes sobre a cultura e comunidade surda de um jeito descontraído e legal de acompanhar.

Fonte: Imagem da Internet

4- Léo Viturinno (@leoviturinno):

É Youtuber, professor universitário, tem seu próprio curso de Libras e ainda compartilha um monte de conteúdo bacana e educativo sobre variados temas.

Fonte: Imagem da Internet

5- Stefany Kreds (@stefanykrebs11): 

Uma super atleta de Futsal e Futebol! Já conquistou muitas medalhas em vários campeonatos diferentes.

Fonte: Imagem da Internet

6- Gabriel Isaac (@isflocos):

É criador de conteúdo digital, ator, influenciador e tradutor. Ele fala tudo sobre o mundo surdo, cultura LGBT, conteúdos leves e divertidos! Garantimos que você vai curtir!

Fonte: Imagem da Internet

7- Yanna Porcino (@meussinaisexpressam):

Por último, mas não menos importante…. Se o que você curte é um bom convite à reflexão, conheça a Yanna, que é poetisa, tradutora e consultora de Libras. Ela produz um conteúdo encantador sobre autoconhecimento, cultura surda e LGBTQIA +, representatividade e muito mais! Tudo isso de uma forma super fluida. Uma artista nota mil!

Fonte: Imagem da Internet

Vale ressaltar que a diversidade deve ser celebrada e valorizada todos os meses do ano, não apenas em Junho. Lembre-se sempre que ela está presente em diferentes grupos e isso não seria diferente dentro da comunidade surda

 

Descrição de imagens:

Imagem 01: Foto de duas pessoas abraçadas em uma festa, lado esquerdo um homem de camiseta bege segurando um copo e lado direito uma mulher branca de cabelo cacheado castanho escuro e com as pontas azul. Ela está sorrindo e veste uma jaqueta azul e óculos de grau. Ao fundo há pessoas e luzes de festa.

Imagem 02: Foto de uma drag queen sorridente. Ela tem um cabelo ondulado lilás médio jogado para a direita e à esquerda tem uma flor laranja. A maquiagem é rosa pink e ela usa um vestido laranja com flores. O fundo da foto é levemente rosado.

Imagem 03: Foto de um homem de cabelos curtos e cacheados, ele está vestindo uma regata cinza e usa uma bandana branca no pescoço. Os braços estão erguidos com as mãos atrás da cabeça e ao fundo dele tem o desenho de um arco-íris e quadros sobrepostos a uma parede cor de rosa.

Imagem 04: Foto de um homem moreno com cabelo curto cacheado, de barba curta e usando brinco de argola pequeno na orelha esquerda. Ele veste uma camiseta vermelha e ao fundo desfocado uma prateleira com livros e parede com quadros.

Imagem 05: Foto de uma mulher sorridente, com cabelo todo preso em um rabo de cavalo, ela está com as mãos abertas atrás das orelhas e veste uma camiseta verde do Palmeiras. Ao fundo está a arquibancada do estádio.

Imagem 06: Foto de um homem sorridente, com o rosto levemente virado para a esquerda, ele usa óculos de grau redondo com armação preta, brinco pequeno, cabelo liso ondulado, barba, casaco branco e atrás dele uma parede amarela.

Imagem 07: Foto de uma mulher negra com cabelo estilo black. Ela está com as mãos tocando levemente o pescoço. Ao fundo um muro amarelo e na frente dela há um pequeno ramo de flores amarelas.

Tags: comunicaPET

Você já ouviu falar sobre o paradoxo dos gêmeos?

26/08/2022 18:04

Andres Garces,
Bolsista PET Letras
Letras Libras

Uma das questões mais interessantes — que entendi há alguns meses— é que o tempo não é linear, ou seja, ela pode variar para cada objeto no espaço. E, dependendo da velocidade do objeto ou da pessoa, o tempo pode ir mais lento ou mais rápido. 

Isto me deixou pirado… e me fez refletir sobre essa questão e suas possíveis implicações! Por isso, decidi compartilhar algumas ideias relacionadas a esse paradoxo dos gêmeos que envolve noções de relatividade, tempo, espaço, velocidade etc.

Pode-se dizer que tudo começou com a equação feita pelo famoso físico alemão Albert Einstein, a relatividade especial. De maneira bem simplificada, ela fala que a velocidade depende da percepção de cada pessoa. Pense se você não vivenciou a seguinte experiência:  você está sentado na janela do ônibus — ou de outro veículo — com outro paralelamente alinhado e, de repente, sente que esse outro ônibus começa a se mover, mas, em seguida, você se dá conta de que era o seu ônibus que estava se movendo e que o outro estava parado? Pois é, algo normal. Duas pessoas que estão com uma velocidade constante podem dizer que não estão se movendo, mas é tudo ao seu redor o que está se movendo. É por essa mesma razão que quando você se deita na cama antes de ir dormir, sente que está quieto(a) e não que está viajando a 1.666 km/h que é a velocidade de rotação da terra.

Contudo, sempre existe um “porém”. E a única velocidade absoluta no vácuo ante qualquer pessoa ou objeto, independente do seu movimento, é a velocidade da luz. Mesmo se estivermos viajando a 460 km/h em um trem na China e emitirmos uma luz estando nele, o lógico seria que a velocidade dessa luz se acrescentasse a velocidade do trem, certo? Mas com a luz não funciona assim, se nós medirmos a velocidade da luz nesse momento — VT (velocidade do trem) e C (velocidade da luz)— o resultado vai ser sempre o mesmo: VT + C = C. Isto traz consequências muito doidas, do meu ponto de vista, pois significa que o tempo não é um relógio que faz tick-tock para todos no universo, já que o tempo varia dependendo da velocidade da pessoa ou objeto. Então, a velocidade cria algo que se chama: dilatação temporária, quer dizer, quanto mais rápido viajar uma pessoa, mais lento vai passar o tempo para ela. 

Fonte: Imagem extraída de vídeo do YouTube**

Após essas reflexões, agora chegaremos  neste paradoxo criado a partir das descobertas anteriores.

Marcos e Polo são gêmeos, por motivos desconhecidos, Marcos decidiu fazer uma viagem para o espaço deixando o seu irmão Polo na terra. Marcos com ajuda de alguns engenheiros construiu uma nave que consegue chegar até 90% da velocidade da luz, e nela fez um trajeto de ida e volta. No momento de a nave do Marcos pousar de volta na terra, perguntamos para o Polo quanto tempo ele ficou afastado do seu irmão e ele responde que a viagem do Marcos foi de 5 anos, mas o Marcos no seu relógio e calendário, fala que foram alguns meses menos que isso. 

Concluindo, o Marcos volta sendo mais jovem do que seu irmão gêmeo Polo.

Fonte: Imagem da Internet**

O aprendizado da nova percepção do tempo não-linear, dá-nos entender o pouco que conhecemos do universo e das leis que nos governam. Ele é gigante, massivo… e nós, realmente mínimos, quase insignificantes. Contudo, o nosso ego é maior do que nossas próprias calças e a destruição do nosso planeta será a confirmação disso.

*Descrição da imagem 1: Fundo embaçado com céu azul e montanhas rochosas. Na frente, tem um desenho de um trem vermelho e cinza com duas carroças. Na caixa da fumaça do trem, está sentado um homem branco, cabelo curto, de camisa cinza, jeans e sapatos azuis. Na frente dele, há uma pedra cinza marcando seu trajeto  com uma linha vermelha que vem desde a cabeça do homem até o chão. De letras amarelas, acima das carroças: Vtren, com uma seta amarela abaixo. Na parte superior: Vpedra=Vtren+Vlanz; na parte superior direita, acima da trajetória da pedra: Vlanz, com uma seta amarela abaixo.

**Descrição da imagem 2: Desenho de céu azul, do lado esquerdo tem um foguete novo de cor branca apontando para o o céu, diante dele, dois homens jovens da mesma estatura, com cabelos castanhos. O homem da esquerda está vestido de astronauta, roupas de cor azul e vermelha, o outro homem está de terno marrom e estão apertando as mãos. Do lado direito da imagem, tem um foguete deitado e ainda com fumaça. Mais adiante dele, estão os mesmos homens, só que o astronauta com o cabelo um pouco mais claro e o outro homem de terno bem mais velho, careca e grisalho.

Tags: comunicaPET

As facetas da polarização política no Brasil: estamos em perigo?

18/08/2022 21:49

Mariane Pordeus,
Estagiária de Acessibilidade
Letras-Libras

A poucos meses das eleições de 2022, o Brasil já contabiliza 26 assassinatos por motivação política ou pelo exercício da atividade pública — de acordo com as pesquisas do jornal “O Estado de São Paulo”, o Estadão. Desde o ano de 2018, os homicídios por causa ideológica partidária têm se tornado mais frequentes.

Pode-se considerar que homicídios que tem por finalidade eliminar o adversário por divergências militantes opostas são o sintoma da política no Brasil contemporâneo, onde a população é categorizada como parte de um grupo extremo ou de outro. Para entender esse cenário, é importante contextualizar uma questão indispensável: o Brasil possuiria uma “democracia imperfeita”, ou seja, demonstra algumas fragilidades em comparação a outros países — esse índice provém da revista The Economist, publicação inglesa que avalia as democracias de 167 países desde o ano de 2006, com base em algumas regras internacionais.

Sendo assim, é comum que pessoas com posicionamentos políticos distintos apresentem comportamentos, cada vez mais, desiguais e intolerantes, configurando um posicionamento de extrema polarização política, em que há o esvaziamento ou silenciamento do centro para que os opostos se expandam e se fortaleçam. Trata-se de uma mudança de perspectiva, na qual o outro não é visto como adversário, mas como inimigo que deve ser exterminado. A postura de ódio citada no início, desta publicação, é uma demonstração real de como a convicção extremista pode ser fatal para a nossa “democracia imperfeita”.

Fonte: Imagem da Internet 01*

O extremismo pode ser seriamente arriscado, afinal se você está em extrema direita ou extrema esquerda, eventualmente pode ser que o diálogo não ocorra. Se não há debate, e apenas imposições antagônicas ao outro polo, é a morte das ideias! Assim, o diálogo não é incentivado e as vozes do meio são abafadas pelos gritos extremos, onde os beneficiados são os próprios políticos, partidos e grupos que se nutrem da intolerância para receber apoio crescente a sua vertente, afinal é mais fácil aceitar uma medida extrema quando se têm um inimigo que precisa ser eliminado a qualquer custo. A problemática dessa face extremista estaria na falsa democracia, visto que esta polarização desviaria a problemática real para enfatizar questões de cunho moral, em que propostas concretas não são viabilizadas, mas, sim, discussões redundantes acerca de temáticas relacionadas a costumes e comportamentos.

É importante destacar que, nós humanos, temos uma tendência a supervalorizar informações que corroboram as nossas convicções, enquanto aquelas que as contrapõem são descartadas facilmente; por isso, ainda hoje, muitos se prendem a desinformação veiculada por Fake News, porque é naturalmente confortável manter o posicionamento em vez de revê-lo. Há também o fator do pertencimento. Quando olhamos para o passado podemos perceber que somos seres coletivos e que buscamos fazer parte de um grupo, sempre nos adaptando ao meio e às circunstâncias necessárias à sobrevivência. Muitas vezes, isso implicava em renunciar à própria individualidade para compor um grupo com regras, crenças e valores.

Contrapondo à nossa realidade atual, este fenômeno seria perceptível em grupos sociais, onde há os polarizadores extremistas e aqueles que são voluntariamente subordinados com o único objetivo de manter o próprio prazer de fazer parte de algo, mesmo que não compreendam ou concordem plenamente. Pode-se considerar que essa face conivente não argumenta com o adversário, apenas o adjetiva, ou seja, em vez de fundamentar argumentações válidas, é mais fácil, odiosamente, adjetivar o outro como o “fascista”, “machista”, “comunista”, enfim, pouco se pensa em situações assim.

Em contrapartida às faces insalubres da polarização, é substancial evidenciarmos que há algo benéfico nisso tudo, tendo em vista que a divisão da sociedade em polos distintos faria parte do desenvolvimento da democracia. Desde que haja uma busca por soluções para os problemas recorrentes da sociedade, sem se deixar inflamar pelo discurso de ódio generalista, com respeito a democracia e diálogo em prol do bem comum, então está tudo bem! Dessa maneira, pessoas racionais e diversas que conseguem ver positividade na pluralidade social, onde pessoas com ideias diferentes não são inimigos, desarmam a armadilha extremista e por meio da face dialógica, escuta honesta e paciente conseguem negociar seus conflitos. Trata-se de uma sociedade humana, que apresenta necessidades contraditórias que precisam ser resolvidas, para isto a democracia se apresenta como campo aberto ao confronto e debate saudáveis.

Fonte: Imagem da Internet 02

É importante ter em mente que ambos os lados precisam buscar soluções para a sociedade e isso precisa ser o foco. É preciso considerar que a verdade não está necessariamente nos extremos, pois precisa ser construída coletivamente partindo-se de pontos de vista diferentes. Essa capacidade de ser, pensar e agir coletivamente é o diferencial que temos como seres comunicativos e políticos, ainda que todos inconclusos. Então, quando for tomar partido, lembre-se: os polos podem até ser distintos, mas o Brasil é uma nação só e no final quem paga a conta somos nós mesmos.

Nesse período eleitoral, busque uma postura crítica diante dos planos de governo apresentados, pondere as pautas e avalie o cenário político brasileiro dos últimos anos. Assim, quando a polarização se colocar como ferramenta de mera segregação, posicione-se em prol de uma sociedade democrática!

Descrição da imagem 01*: No centro superior da imagem o título “polarização política” escrito em preto destacado com grifo amarelo, abaixo uma charge com pessoas conversando. A cabeça das pessoas é de cubo mágico embaralhado.

Descrição da imagem 02*: Desenho de duas pessoas conversando calmamente, a pessoa da esquerda é roxa e seu balão de fala tem na cor laranja, a pessoa da esquerda é amarela e o seu balão de fala tem fundo azul, cada balão de fala tem desenhos diferentes como uma lâmpada, seta, rabiscos, interrogação também com cores diferentes. No espaço em comum entre os dois balões de fala há desenhos em roxo com fundo branco.

Sugestões de leitura:

NOSSA, Leonencio. Brasil tem 26 assassinatos por intolerância política em 2022. UOL, 2022. Disponível em: <https://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/agencia-estado/2022/07/18/mortes-por-intolerancia-politica-no-brasil-ja-superam-as-de-4-eleicoes-nacionais.htm> Acesso em: 6 de agosto de 2022.

A new low for global democracy. THE ECONOMIST, 2022. Disponível em: <https://www.economist.com/graphic-detail/2022/02/09/a-new-low-for-global-democracy> Acesso em: 6 de agosto de 2022.

KNIESS, Andressa Butture. A polarização política no Brasil. IBPAD, 2022. Disponível em: <https://ibpad.com.br/politica/a-polarizacao-politica-no-brasil/> Acesso em: 6 de agosto de 2022.

Polarização política no Brasil. DESPOLARIZE, 2022. Disponível em: <https://despolarize.org.br/despolarize-divulga-pesquisa-polarizacao-politica-no-brasil/> Acesso em: 6 de agosto de 2022.

Tags: comunicaPET

A desvalorização da literatura nacional e o incentivo à pirataria: você faz parte disso?

04/08/2022 11:28

Vitória Cristina Amancio,
Estagiária de Acessibilidade
Letras-Libras

No Brasil, a taxa de consumidores de livros é equivalente a 52% da população, porém a maior parte da literatura consumida é estrangeira, e é muito comum que, ao elogiar um livro nacional, use-se a frase “tão bom que nem parece brasileiro”. A supervalorização da literatura de fora, tem resultado em uma grande desvalorização de livros do território nacional, impactando diretamente no trabalho dos escritores.

Fonte: Imagem da Internet*

Atualmente, existem vários empecilhos para publicar um livro no Brasil. O preço para publicação de um livro tem aumentado muito nos últimos vinte anos, fazendo com que essa se torne menos acessível e que os formatos ditos “tradicionais” de publicação se tornem restritos a escritores já conhecidos, ou a pessoas que já possuem um público para quem irão vender facilmente seu trabalho. 

O custo do material e a dificuldade de acesso às editoras têm impulsionado os escritores a procurar por uma nova forma de publicação em um formato mais acessível tanto para o escritor, quanto para o consumidor da literatura, os “e-books”. 

Estes são livros em formatos digitais, na maioria das vezes disponíveis em lojas como Amazon, Google Books, Apple Books e outras plataformas digitais. Depois de adquirido, pode ser lido em qualquer lugar em formato digital, como por exemplo o seu celular. Os aplicativos para leitura são gratuitos e muitos possuem a função de áudio para que possam ser acessíveis e lidos a qualquer momento. Os preços dos “e-books” costumam ser muito mais acessíveis do que os livros físicos, 

Escritores tendem a gastar muito na divulgação de seus livros para conseguirem um retorno financeiro e reconhecimento, seja o seu livro no formato físico ou digital, e sua forma de publicação independente ou por uma editora.  Ainda assim, sofrem frequentes perdas ao terem seus livros sendo pirateados na internet.

Confira o relato da autora Priscila Gonçalves, escritora e editora de livros nacionais:

CLIQUE AQUI PARA ASSISTIR AO VÍDEO**

 (CLIQUE AQUI PARA JANELA COM TILS  (CLIQUE AQUI PARA LEGENDA EM PT)

Veja bem, a cultura que se propaga tem sido a de que a literatura estrangeira é superior e melhor do que a nacional. Propaga-se que a literatura nacional não conseguirá ser tão boa quanto a de fora, logo absorvemos a ideia de que esta é muito cara, mesmo que esteja com o mesmo preço de um livro internacional, e assim acabamos sendo dirigidos à um site ilegal para cosumirmos esses livros de forma gratuita.

Sem saber das dificuldades que os escritores tiveram, acabamos, muitas vezes, tirando o seu “ganha pão” e estimulamos essa triste cultura que diz que “viver de arte é impossível”. 

E você, já pensou em como desapegar dessa cultura? 

Quais das nossas simples atitudes diárias têm contribuído para a desvalorização da arte brasileira? 

 

Sugestão de Leitura

GRUENFELD, THAIS. A PUBLICAÇÃO INDEPENDENTE FEMININA: DOS DESAFIOS DE MERCADO AO PRECONCEITO TEMÁTICO. Orientador: Prof. Dr. Emerson Brito. 2022. 40 f. TCC(graduação) (Bacharel em Jornalismo) – Centro Universitário Belas Artes de São Paulo, São Paulo, 2022.

*Foto descrição: fotografia de uma estante branca, com livros coloridos. Entre eles, uma mão segura um aparelho de leitura digital onde encontra-se escrito “E-Reader”.

** Foto descrição: Mulher branca, de cabelos pretos com mechas coloridas em roxo, com o fundo de uma estante repleta de livros. Ao seu lado há uma janela de Libras para garantia de direitos linguísticos da comunidade surda.